CartaExpressa

Derrota de Lira e Bolsonaro com o voto impresso é quase certa, avalia oposição

Derrota de Lira e Bolsonaro com o voto impresso é quase certa, avalia oposição

Presidente da Câmara dos Deputados anunciou que levará ao plenário da Casa a PEC que discute o tema

Foto: Sergio Lima / AFP

Foto: Sergio Lima / AFP

Deputados de oposição ao governo federal não veem na manobra do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), – de levar a PEC do Voto Impresso ao Plenário da Casa – grandes chances do texto original ser aprovado.

Na quinta-feira 5, a comissão especial que analisa o tema rejeitou um parecer em defesa da impressão dos votos. O colegiado se reúne novamente nesta sexta 6 para votar um parecer, do deputado Raul Henry (MDB-PE), contrário à PEC. O procedimento é praxe: quando um é rejeitado, um novo relator é acionado para produzir relatório em sentido contrário.

No Plenário, no entanto, o texto que será votado é o original, da deputada Bia Kicis (PSL-DF), que dificulta a adesão de parlamentares refratários à ideia.

“O texto original não amplia com ninguém. Deve votar nisso só os bolsonaristas mesmo. Portanto, a derrota é quase certa”, avalia o deputado Rogério Correia (PT-MG).

O deputado Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, afirmou que o partido fechará questão contra a aprovação da PEC. “Dá para encarar e derrotar de novo o Bolsonaro”, disse.

Para a deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS), “a votação na comissão foi bastante expressiva” e dá a dimensão do que espera o governo no Plenário.

“Não vejo como simples aprovar essa matéria em Plenário, pois são necessários 308 votos. Se for aprovado, com certeza vai haver judicialização, embora eu prefira derrotar na comissão e no plenário antes”.

A avaliação política dos parlamentares consultados por CartaCapital é a de que, caso a PEC seja derrotada, aumentará o isolamento do presidente Jair Bolsonaro.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital. Twitter: Alisson_Matos

Compartilhar postagem