CartaExpressa

Derretimento de Bolsonaro coloca Lula e Ciro Gomes no 2º turno, diz PDT

Pesquisa IPEC mostra petista com 49% das intenções de voto, Bolsonaro com 23% e o pedetista com 7%

Foto: José Cruz/Agência Brasil 'Temos uma liderança, Ciro Gomes, que já desponta nas pesquisas presidenciais como um dos adversários mais competitivos do atual presidente'. Foto: José Cruz/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A pesquisa do instituto IPEC, que aponta para a possibilidade do ex-presidente Lula vencer as eleições de 2022 ainda no primeiro turno, é vista no PDT de Ciro Gomes como um “bom momento do petista” e um “derretimento” completo de Jair Bolsonaro.

Para o presidente do partido, Carlos Lupi, o levantamento aponta para um segundo turno entre Lula e Ciro.

“A pesquisa é uma fotografia do momento atual, com o derretimento do desgoverno Bolsonaro e o bom momento que Lula vive, com o cancelamento de sua pena”, afirma Lupi em conversa com CartaCapital.

“A eleição é daqui a um ano e três meses e continuo acreditando na resistência que Ciro demonstra”, acrescenta. “[É possível que o] derretimento de Bolsonaro faça existir um segundo turno entre Ciro e Lula, o que é a melhor saída para nosso povo”, diz.

No levantamento, Lula tem 49% das intenções de voto, enquanto Bolsonaro fica 23%. Na sequência, aparecem Ciro com 7%, João Doria (PSDB) com 5% e Luiz Henrique Mandetta com 3%.

“Ciro, por ser o único com um projeto para o Brasil, irá fazer uma aliança direta com nosso povo, que representará a nova via que a maioria deseja”, acrescenta.

 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.