CartaExpressa

De volta ao Ministério, Queiroga justifica gesto obsceno a opositores nos EUA

O ministro também afirmou ter procurado atendimento médico nos EUA para tratamento da Covid, mas se negou a dizer quais remédios tomou

Queiroga mostra o dedo do meio para manifestantes em NY.

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Queiroga mostra o dedo do meio para manifestantes em NY. Foto: Reprodução/Redes Sociais

De volta ao Ministério da Saúde, o ministro Marcelo Queiroga tentou justificar seus gesto obscenos a opositores que protestavam em Nova York, durante a Assembleia Geral da ONU.

“Temos trabalhado muito pelo Brasil, temos conseguido resultados muito importantes, significativos no controle da pandemia. Nós somos humanos, né? É da natureza humana existirem falhas”, declarou.

O ministro retornou às atividades após cumprir um período de quarentena nos EUA por ter contraído Covid-19 durante a estada da comitiva brasileira no país. Questionado se se arrependia da atitude, Queiroga completou: “Nós sempre fazemos análise do que fazemos da maneira correta, do que podemos melhorar. É sempre um caminhar, sempre um avançar.”

Também nesta terça, o ministro disse que recebeu atendimento hospitalar nos Estados Unidos para tratar os sintomas da doença, que incluíram febre alta. Queiroga afirmou ter tido a prescrição de medicamentos, mas não detalhou quais remédios usou.

“Essa questão é privativa minha, do tratamento que eu fiz, está certo? Eu tomei o medicamento prescrito pelo meu médico. Meu médico dos Estados Unidos, porque médicos não prescrevem a distância. Então, procurei um médico, como todo mundo faz. Quando você está doente, não procura um um um hospital, um consultório? O médico lhe prescreve um medicamento e você toma. Ou não”, afirmou.

 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!