CartaExpressa

Datafolha mostra Doria mais próximo do PSTU do que de Ciro e Moro

O levantamento divulgado nesta quinta-feira 24 indica um cenário desolador para a terceira via

O governador de São Paulo, João Doria. Foto: AFP
Apoie Siga-nos no

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira 24 mostra um cenário desolador para a terceira via. Enquanto Lula vai a 43% e Jair Bolsonaro a 26%, nenhum outro candidato chega a 10% das intenções de voto. Mas a situação é particularmente delicada para o postulante tucano, João Doria.

No principal cenário, o governador do estado mais populoso do País soma apenas 2% das intenções e está distante do terceiro colocado, Sergio Moro (8%), e empatado no limite da margem de erro com o quarto, Ciro Gomes (6%).

Doria empata numericamente com André Janones, do inexpressivo Avante, e está tecnicamente empatado com candidatos que marcam 1%, como Vera Lúcia, do PSTU; Simone Tebet, do MDB; e Luiz Felipe D’Ávila, do Novo.

No outro cenário em que é considerado, Doria mantém os 2% – neste caso, atrás de Janones, que sobe para 3%. Vera e D’Ávila têm 1% cada.

O Datafolha entrevistou 2.556 eleitores em 181 cidades de todo o País, entre 22 e 23 de março. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou menos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.