CartaExpressa,Economia

Da carcaça ao espinhaço: preços de cortes de segunda e terceira disparam nos açougues

Da carcaça ao espinhaço: preços de cortes de segunda e terceira disparam nos açougues

Paulo Guedes e Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP

Paulo Guedes e Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP

O avanço da inflação, que elevou em quase 25% os preços das carnes em geral nos últimos 12 meses, tem forte impacto também sobre os cortes de segunda e de terceira, embora inexista um levantamento nacional com esse recorte.

Pesquisa da consultoria Safras e Mercados divulgada nesta quarta-feira 13 pelo G1 considera os dados de São Paulo. Eis algumas das conclusões sobre o crescimento dos preços em 12 meses fechados em setembro:

  • Pescoço de frango: 15,79%
  • Carcaça de frango: 45%
  • Dorso de frango: 60%
  • Moela de frango: 57,81%
  • Fígado de frango: 34,85%
  • Espinhaço de porco: 23,91%
  • Orelha de porco: 20%
  • Acém (de boi): 21,43%
  • Traseiro de boi: 18,06%

Ao site, o cofundador da Rede Mais Açougues, Diego Moscato, disse que em São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Espírito Santo e Rio de Janeiro, “todos confirmaram que essas carnes foram mais vendidas por conta da crise”. Segundo ele, o pé de frango lidera, com um crescimento de 26% no consumo.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem