CartaExpressa

Cúpula da CPI da Covid vai à PGR pela reabertura dos inquéritos da comissão

O anúncio foi feito pelo relator, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), que criticou a postura de Augusto Aras em arquivar as denúncias

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, anunciou, nesta quinta-feira 14, que a cúpula da comissão vai recorrer à PGR para pleitear a reabertura dos inquéritos da Comissão, com sugestão de 81 indiciamentos.

“As provas robustas e públicas foram arquivadas por Augusto Aras. Os crimes não podem ficar impunes”, escreveu o parlamentar em suas redes sociais.

O relatório final da CPI da Covid indiciou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), quatro ministros e outras 73 pessoas, além de duas empresas, por crimes relacionados à pandemia. Bolsonaro foi citado em nove tipos penais como crimes de responsabilidade e crimes contra a humanidade.

O documento foi entregue pelos senadores ao procurador-geral da República, Augusto Aras, no dia 27 de outubro de 2021, um dia após a aprovação do relatório na CPI.

Em fevereiro deste ano se completou 100 dias desde a apresentação do relatório, sem que sequer um inquérito tenha sido aberto para investigar o alto escalão do governo com base no documento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar