CartaExpressa,Política

Crise hídrica não tem data para terminar, diz ministro de Minas e Energia

Crise hídrica não tem data para terminar, diz ministro de Minas e Energia

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. Foto: Alan Santos/PR

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. Foto: Alan Santos/PR

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou nesta terça-feira 14 que não pode projetar a data em que se encerrará a bandeira tarifária “escassez hídrica” nas contas de luz de todo o País. Isso porque, segundo ele, não se sabe quando a crise hídrica chegará ao fim.

“Não há data determinada para isso terminar. Trabalhamos com planejamento, metodologia, mas estamos vivendo uma crise hídrica em que mês a mês as afluências são menores. Isso tira a previsibilidade de quando essa crise hídrica vai terminar”, declarou Albuquerque em entrevista à RedeTV.

De acordo com o ministro, há uma expectativa de que a crise “regrida” a partir de dezembro, “no que diz respeito à geração termelétrica que estamos tendo hoje e à importação de energia que estamos realizando desde o final do ano passado – isso, evidentemente, encarece a nossa conta de luz”.

“Mas continuamos trabalhando para que tenhamos geração mais barata e trabalhamos com medidas para que o País não venha a passar por esses momentos no futuro, com a recuperação dos nossos reservatórios e das nossas bacias hidrográficas. Mas não há como fazer previsão em relação a hidrologia neste momento”, acrescentou Albuquerque.

Em 31 de agosto, o governo de Jair Bolsonaro e a Agência Nacional de Energia Elétrica anunciaram que a nova bandeira na conta de luz representa uma alta de 49,63% em relação à bandeira vermelha patamar 2, que era a mais alta do sistema e estava em vigor nos últimos meses. A nova tarifa adiciona 14,20 reais às faturas para cada 100 kW/h consumidos.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem