CartaExpressa,Política

‘Conclusão: Moro fraudou a eleição de 2018’, diz Haddad; veja reações ao julgamento no STF

‘Conclusão: Moro fraudou a eleição de 2018’, diz Haddad; veja reações ao julgamento no STF

O ex-juiz Sergio Moro e o presidente Jair Bolsonaro. Foto: EVARISTO SÁ/AFP

O ex-juiz Sergio Moro e o presidente Jair Bolsonaro. Foto: EVARISTO SÁ/AFP

Lideranças do Partido dos Trabalhadores celebraram nesta quinta-feira 22 a maioria formada pelo Supremo Tribunal Federal para confirmar a decisão, tomada pela Segunda Turma da Corte no mês passado, que reconheceu a parcialidade do ex-juiz Sergio Moro contra o ex-presidente Lula no caso do triplex do Guarujá.

Para o ex-prefeito de São Paulo e candidato do PT à Presidência em 2018, Fernando Haddad, a “conclusão é de que Moro fraudou” o pleito, ao pavimentar o caminho para que Lula fosse retirado da disputa contra Jair Bolsonaro.

A presidenta nacional da sigla, Gleisi Hoffmann, escreveu nas redes sociais que “maioria do STF fez justiça”.

“Moro foi juiz suspeito, Lula é inocente das acusações e tem direitos políticos plenos. Valeram cinco anos de luta! Que nunca mais o Judiciário volte a ser manipulado para perseguição política. Nunca mais uma eleição se decida pela cassação ilegal de um candidato”, comemorou Gleisi.

O líder do PT na Câmara dos Deputados, Bohn Gass (RS), também se manifestou. “Não foi o Lula quem venceu hoje: foi a verdade”, escreveu.

Para o senador Jean Paul Prattes (PT-RN), líder da Minoria na Casa, trata-se de uma “vitória da democracia”.

“STF confirma suspeição de Moro no julgamento político que levou nosso presidente Lula a permanecer preso injustamente por 580 dias. Que fique registrado na história do Brasil a saga de um ex-juiz e ex-ministro para tentar calar a voz de todo um povo”, publicou nas redes sociais.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem