CartaExpressa

‘Comunista’ e ‘petista’: bolsonaristas lançam campanha contra Tite por não convocar jogador sem esquema vacinal completo

Ao anunciar a não convocação de Renan Lodi, o treinador da Seleção destacou a vacinação como ‘uma responsabilidade social’

O técnico Tite. Foto: Rodrigo Buendia/AFP
O técnico Tite. Foto: Rodrigo Buendia/AFP

Militantes bolsonaristas miraram seus canhões virtuais nesta quinta-feira 13 contra Tite, treinador da Seleção Brasileira de futebol masculino. Nesta manhã, o técnico gaúcho informou que o lateral esquerdo Renan Lodi, do Atlético de Madrid, perdeu a chance de defender o time nos próximos jogos das Eliminatórias para a Copa do Catar por não ter se vacinado contra a Covid-19.

No Twitter, a hashtag #ForaTite foi utilizada por usuários de extrema-direita que atacaram o treinador. Também há críticas sobre outras decisões, de caráter meramente esportivo.

“Eu não vou torcer pela seleção brasileira na copa se o PeTite for o técnico! Esse lixo comunista vai usar a seleção contra o presidente Bolsonaro!”, escreveu uma defensora do ex-capitão.

Muitos bolsonaristas se referiram a Tite como “comunista” e “petista” e publicaram até montagens do treinador com acessórios que fazem alusão a expoentes do socialismo.

Ao anunciar a não convocação de Lodi, Tite destacou a vacinação como “uma responsabilidade social”.

“Eu trago isso para mim e minha família, para pessoas para quem eu tenho responsabilidade. Meus netos… Queria ter meus pais, não os tenho, mas queria ter a oportunidade de poder protegê-los”, disse na entrevista.

O coordenador da Seleção, Juninho Paulista, acrescentou que o veto tem relação com as leis sanitárias de cada país. O Brasil enfrenta o Equador, em Quito, em 27 de janeiro, e o Paraguai, em Belo Horizonte, em 1º de fevereiro.

“O Renan Lodi não poderia entrar no Equador e aqui no Brasil também há restrições. Ele teve a 1ª dose de vacina agora no dia 10 (de janeiro). Então ele não estaria apto, dentro das regras sanitárias do país, para estar na delegação”, disse Juninho.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!