CartaExpressa,Política

‘Com relação a ele, outros falarão’, diz Renan sobre ‘silêncio’ de Pazuello

‘Com relação a ele, outros falarão’, diz Renan sobre ‘silêncio’ de Pazuello

Renan Calheiros e Eduardo Pazuello. Fotos: Edilson Rodrigues/Agência Senado e Tomaz Silva/Agência Brasil

Renan Calheiros e Eduardo Pazuello. Fotos: Edilson Rodrigues/Agência Senado e Tomaz Silva/Agência Brasil

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, minimizou nesta sexta-feira 14 a decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo de Tribunal Federal, de autorizar o ministro da Saúde Eduardo Pazuello a ficar em silêncio em sua oitiva na comissão, diante de “perguntas que possam, por qualquer forma, incriminá-lo”.

Há, porém, uma ressalva relevante no despacho do ministro do STF: “No que concerne a indagações que não estejam diretamente relacionadas à sua pessoa, mas que envolvam fatos e condutas relativas a terceiros, não abrangidos pela proteção ora assentada, permanece a sua obrigação revelar, quanto a eles, tudo o que souber ou tiver ciência, podendo, no concernente a estes, ser instado a assumir o compromisso de dizer a verdade”.

Ante essa ponderação, Calheiros afirmou, nas redes sociais: “A decisão do ministro Lewandowski não atrapalha a investigação. Ela garante ao depoente que não se autoincrimine. E não é isso que queremos com Pazuello. Interrogatório bom não busca confissões. Quer acusações sobre terceiros. Com relação a ele, outros falarão”.

O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que recebeu “com tranquilidade” a decisão.

“É assim que funciona a democracia. Mas esperamos que ele tenha ciência de que seu depoimento não é o único meio que buscaremos para elucidar essa tragédia que ocorre no país”, acrescentou Randolfe nas redes.

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem