CartaExpressa,Política

Com preços nas alturas, consumo de carne vermelha no Brasil desaba ao menor nível em 26 anos

Com preços nas alturas, consumo de carne vermelha no Brasil desaba ao menor nível em 26 anos

Foto: AFP

Foto: AFP

Em meio à elevação dos preços, o consumo de carne vermelha no Brasil cairá cerca de 14% neste ano, na comparação com 2019, antes da pandemia da Covid-19. Trata-se do nível mais baixo em 26 anos, segundo relatório da Companhia Nacional de Abastecimento antecipado pelo UOL.

De acordo com o último levantamento do IPCA, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em setembro com base no mês de agosto, as carnes ficaram quase 30% mais caras no acumulado dos últimos 12 meses. Os dados relativos a setembro devem ampliar o drama.

Outros indicadores publicados nesta quarta-feira 6 ilustram a extensão da crise econômica que se abate sobre o Brasil. De acordo com um levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, o custo da cesta básica subiu em setembro na comparação com agosto em 11 das 17 capitais pesquisadas.

Em relação a setembro do ano passado, o preço do conjunto de alimentos básicos cresceu em todas as cidades consideradas. Destaque para Brasília (38,56%), Campo Grande (28%), Porto Alegre (21,62%) e São Paulo (19,54%).

A capital paulista tem a cesta básica mais cara do País: 673,45 reais. Em Porto Alegre, o conjunto de alimentos ficou em 672,39 reais, e, em Florianópolis, 662,85. As cestas mais baratas estão no Nordeste: Aracaju (454,03), João Pessoa (476,63) e Salvador (478,86).

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem