CartaExpressa

Clínicas privadas pagaram R$ 9,5 milhões à Precisa por vacinas não entregues

Clínicas privadas pagaram R$ 9,5 milhões à Precisa por vacinas não entregues

As empresas pagaram um ‘sinal’ de 10%, mas imunizantes nunca chegaram. A vacinação em clínicas privadas nunca foi autorizada

A Precisa Medicamentos intermediu a compra da vacina Covaxin, suspensa pela Anvisa. Foto: Indranil MUKHERJEE/AFP

A Precisa Medicamentos intermediu a compra da vacina Covaxin, suspensa pela Anvisa. Foto: Indranil MUKHERJEE/AFP

Clínicas particulares de todo o Brasil já pagaram 9,5 milhões de reais à Precisa Medicamentos por doses da vacina indiana Covaxin que nunca foram entregues.

Os pagamentos constam na quebra de sigilo bancário da empresa em posse da CPI da Covid. A informação é do jornal O Globo.

A entrega dos imunizantes comprados pelas clínicas estava prevista para abril, mas até o momento a Covaxin não foi aprovada pela Anvisa, assim como a vacinação por clínicas privadas não está autorizada pelo Congresso.

O contrato prevê a devolução do valor pago caso a Precisa não cumprisse o prazo, que terminou em 30 de abril. A empresa, porém, ainda não devolveu o valor aos empresários. Segundo revelou a quebra de sigilo, apenas três clientes receberam o reembolso, totalizando apenas 147 mil.

O caso já foi parar na Justiça. Pelo menos duas clínicas já processaram a Precisa solicitando a devolução integral do valor.

A Clínica de Vacinas MDC pede no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) o direito de receber integralmente o valor pago, 66 mil reais, já que a Precisa tentou impor uma multa de 20% para a devolução. A multa, porém, não está em contrato e o pedido da clínica foi acatado pelo TJ.

Também em São Paulo, a Alliar pede a devolução de 1 milhão de reais que pagou como ‘sinal’ pelas vacinas. O TJ-SP, no entanto, ainda não analisou o caso.

Há ainda aqueles que não alegam problemas para reaver o valor e até mesmo quem ainda acredite no negócio e nem queira receber o dinheiro de volta.

A clínica Vacsim, em Belo Horizonte, por exemplo, diz que já acertou um prazo para a devolução e espera receber seu 1,2 milhão no dia 30 de julho.

Já a BRL Distribuidora de Vacina não quer o 1,7 milhão de volta e, por enquanto, ainda acredita que o negócio seja viável.

Em janeiro deste ano a rede privada esperava comprar até 5 milhões de doses da Covaxin por intermédio da Precisa Medicamentos.

A Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC) chegou a viajar junto com Francisco Maximiano, dono da intermediária, que se apresentou aos indianos como representante formal da associação.

As clínicas, porém, sempre negaram qualquer lobby pela compra ou liberação das vacinas.

A Precisa Medicamentos é alvo de investigação na CPI da Covid por suspeitas de corrupção e irregularidades na venda de 20 milhões de doses de Covaxin ao governo federal, que nunca foram entregues.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem