CartaExpressa

Ciro Nogueira recebeu pastor lobista do MEC fora da agenda, diz site

Arilton Moura protagonizou o escândalo que culminou na saída de Milton Ribeiro do governo e sua posterior prisão

O senador Ciro Nogueira, presidente do PP. Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Casa Civil de Jair Bolsonaro, Ciro Nogueira (PP-PI), recebeu o pastor Arilton Moura, um dos lobistas de propinas no Ministério da Educação, fora da agenda oficial um mês antes dos escândalos de corrupção virem à tona. O caso foi revelado pelo site Metrópoles neste domingo 28.

Um documento obtido pelo portal mostra que o pastor foi até à Casa Civil no dia 8 de fevereiro deste ano e, mesmo sem ter agenda marcada, foi recebido por Ciro Nogueira. Chama a atenção o fato do religioso ter sido atendido com prioridade, furando fila em um encaixe entre agendas na pasta.

Vale ressaltar que a Casa Civil é uma das pastas mais requisitadas, com agendas mais concorridas, uma vez que é a responsável pela articulação política do governo. Ciro Nogueira, porém, não se furtou a receber o pastor responsável pelo esquema de propina com verbas da Educação.

Importante lembrar ainda que o ministro, no auge dos escândalos com Moura na Educação, tinha uma foto com o pastor em seus perfis oficiais. Após a divulgação do esquema, Nogueira apagou os registros.

Moura é apontado como o chefe do esquema de propinas no Ministério da Educação na gestão de Milton Ribeiro, ex-ministro de Bolsonaro. Ele, ao lado de Gilmar Santos, negociariam a liberação de verbas do FNDE em troca de propinas pagas em dinheiro, ouro e até bíblias. Vale lembrar também que o fundo é comandado por um aliado de primeira ordem de Nogueira.

O caso levou Ribeiro a deixar o comando da Educação e, posteriormente, ser preso. Um áudio do ex-ministro revelado no auge dos escândalos indica que o esquema de propinas funcionaria com o aval de Bolsonaro. Há ainda uma ligação de Ribeiro e sua filha indicando que o ex-capitão interferiu nas investigações no caso. A suspeita é que Bolsonaro teria avisado Ribeiro sobre a operação que culminou na sua prisão, revertida na Justiça em poucas horas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.