CartaExpressa

Castro e Freixo estão tecnicamente empatados no Rio, aponta Datafolha

O atual governador soma 23% das intenções de voto, ante 22% do deputado; Rodrigo Neves (PDT) aparece em terceiro com 7%

Cláudio Castro (PL) e Marcelo Freixo (PSB), pré-candidatos ao governo do Rio de Janeiro. Foto: Fernando Frazão e Valter Campanato/ABR
Cláudio Castro (PL) e Marcelo Freixo (PSB), pré-candidatos ao governo do Rio de Janeiro. Foto: Fernando Frazão e Valter Campanato/ABR
Apoie Siga-nos no

O atual governo do Rio de Janeiro Cláudio Castro (PL) e o deputado federal Marcelo Freixo (PSB) estão tecnicamente empatados na disputa pelo comando do estado, segundo a mais nova pesquisa do instituto Datafolha, divulgada nesta sexta-feira 1º.

Castro tem, segundo o levantamento, 23% das intenções de voto. Já Freixo reúne 22% da preferência dos eleitores do RJ. O resultado mostra uma oscilação positiva de cinco pontos percentuais do bolsonarista e uma estabilidade do parlamentar.

Quem aparece em terceiro lugar é Rodrigo Neves (PDT), com 7%. O pedetista está numericamente à frente dos adversários, mas tecnicamente empatado com outros dois nomes: Eduardo Serra (PCB), que tem 6%, e Cyro Garcia (PSTU), com 5%.

Os demais candidatos, neste cenário, não chegam a 5%.

A pesquisa também monitorou uma disputa em que o nome do ex-governador Anthony Garotinho (União Brasil) é testado. Neste caso, Freixo lidera numericamente com 22% e Castro fica em segundo lugar, com 21%. O ex-governador somaria 7%, 1 ponto a mais do que Neves. Neste cenário, Serra é o único outro nome a somar pelo menos 5%.

O cenário com Garotinho, no entanto, ainda é incerto. Ele dependeria de uma decisão judicial para poder concorrer ao cargo. O caso, que analisa ou não a validade das provas da Operação Chequinho, está empatado no Supremo Tribunal Federal por 2 votos a 2. Caso as provas sejam validadas, o ex-governador não poderá concorrer com base na Lei da Ficha Limpa.

Rejeição

Entre os eleitores do RJ, Garotinho é o pré-candidato mais rejeitado, com 45% de indicações ‘não voto de jeito nenhum’ quando seu nome é testado. Em seguida aparece Freixo, com 29%. Castro tem, neste quesito, 19% e é seguido por Garcia, com 18%.

Constam ainda indicações negativas significativas para os nomes de Coronel Emir Larangeira (PMB), que soma 16% de rejeição, e Eduardo Serra (PCB), que tem 14%. Felipe Santa Cruz (PSD), por sua vez, marca 12% e Rodrigo Neves, 10%. Paulo Ganime (Novo) tem apenas 7%. Eles, no entanto, têm altos níveis de desconhecimento por parte do eleitor.

Para chegar aos resultados, o instituto entrevistou 1.218 eleitores no estado entre os dias 29 de junho e 1º de julho. A margem de erro do levantamento é de três pontos percentuais.

Getulio Xavier

Getulio Xavier
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.