CartaExpressa

Câmara de Caxias do Sul abre processo de cassação contra vereador por discurso xenofóbico

Comissão formada por três parlamentares terá 90 dias para apresentar o relatório

Foto: Reprodução/Câmara Municipal de Caxias do Sul
Apoie Siga-nos no

A Câmara de Vereadores de Caxias do Sul (RS) acatou, por unanimidade, a abertura do processo de cassação do mandato de Sandro Fantinel, por suas declarações sobre o trabalho análogo à escravidão em vinícolas do Estado.

Em sessão na Câmara, o vereador disse: “Agricultores, produtores [rurais], empresas agrícolas que estão nesse momento me acompanhando: não contratem mais aquela gente lá de cima”. Trata-se de uma referência aos trabalhadores baianos resgatados na semana passada.

Ao todo, foram analisados quatro pedidos de cassação. A comissão criada para analisar o caso terá 90 dias para decidir se Fantinel deve perder o mandato.

Por sorteio, ficou definido que o colegiado será presidido pela vereadora Tatiane Frizzo (PSDB), com relatoria de Edi Carlos Pereira de Souza (PSB) e diligências de Felipe Gremelmaier (MDB). 

Fantinel também é alvo de investigação no Ministério Público estadual e na Polícia Civil. Após o pronunciamento, ele foi expulso de seu partido, o Patriota. 

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.