CartaExpressa

Câmara aprova prorrogação da desoneração da folha; texto vai ao Senado

Os deputados analisaram a proposta na CCJ, mas um acordo permitiu o encaminhamento aos senadores

Foto: Marina Ramos/Câmara dos Deputados
Foto: Marina Ramos/Câmara dos Deputados

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou, nesta quarta-feira 17, a proposta que prorroga a desoneração da folha de pagamentos de 17 setores até o final de 2023.

Como a votação – simbólica – se deu em caráter terminativo, a análise seguirá para o Senado, sem a necessidade de os deputados votarem o texto em plenário.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro disse que o governo decidiu desonerar a folha por mais dois anos. A medida, que chegaria ao fim em dezembro de 2021, alcança 17 setores da economia, entre os quais a comunicação, a indústria têxtil, a construção civil e o transporte rodoviário.

Ela permite que as empresas substituam a contribuição previdenciária, de 20% sobre os salários dos funcionários, por uma alíquota sobre a receita bruta, que varia de 1% a 4,5%.

Pela proposta original, a prorrogação valeria até 2026. Houve um acordo para reduzir o período, porém, entre o relator, deputado Marcelo Freitas (PSL-MG), e o governo Bolsonaro.

Como mostrou CartaCapital, a iniciativa começou no 1º mandato de Dilma Rousseff (PT), pela Lei 12.546/2011, e beneficiava quatro setores: call center, tecnologia da informação, confecções e calçados. Em 2012, a política foi anunciada para 12 setores; em 2014, teve o seu auge e alcançou 56 áreas. À época, a economia aos empresários foi de cerca de 25 bilhões de reais por ano.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!