CartaExpressa

Bolsonaro volta a atacar manifesto pró-democracia: ‘Onda para tentar atingir a mim’

A carta organizada na Faculdade de Direito da USP já recebeu quase 1 milhão de assinaturas

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro (PL) tornou a criticar as cartas em defesa da democracia e do sistema eleitoral lidas nesta quinta-feira 10 na Faculdade de Direito da USP.

Em transmissão ao vivo nas redes sociais, o ex-capitão segurou um exemplar da Constituição e afirmou que os manifestos serviriam para atingi-lo.

“Alguém discorda de que essa daqui é a melhor carta à democracia? Alguém tem dúvida? Acha que um outro pedaço de papel qualquer substitui isso daqui?”, perguntou Bolsonaro na live, em referência à Constituição. “O pessoal faz uma onda agora sobre carta à democracia para tentar atingir a mim.”

Ele afirmou, ainda, que “fazer cartinha” era “servir de passaporte” para dizer que é “bom moço”.

A carta organizada na Faculdade de Direito da USP já recebeu quase 1 milhão de assinaturas. O texto sai em defesa do Estado Democrático de Direito e do respeito às eleições, ante as ameaças golpistas de Bolsonaro.

O manifesto foi lido após uma série de discursos, realizados no salão nobre da faculdade, em que juristas, representantes de movimentos civis, sindicalistas e empresários reafirmaram a confiança no sistema eleitoral, a defesa da democracia e a oposição aos ataques contra as instituições.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar