CartaExpressa

Bolsonaro volta a acenar para Heinze e Onyx na disputa pelo governo do RS

Presidente, no entanto, não respondeu quem apoiaria para suceder Eduardo Leite no estado

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro deu novo aceno ao senador Luis Carlos Heinze (Progressistas-RS) e ao atual ministro do Trabalho Onyx Lorenzoni (DEM-RS) para concorrerem ao governo do Rio Grande do Sul em 2022.

Questionado por um apoiador gaúcho no cercadinho em frente ao Palácio do Alvorada nesta quinta-feira 28 Bolsonaro não respondeu diretamente quem apoiaria, se limitando a dizer que ‘se dá bem com os dois’.

De longe o apoiador gritou questionando: “Presidente, Onyx ou Heinze?”. Bolsonaro então respondeu: “Eu me dou bem com os dois”.

O apoiador então insistiu na pergunta, dizendo torcer para ‘que os dois não rachem a direita’ ao que o presidente apenas acenou.

O senador gaúcho ganhou mais notoriedade entre bolsonaristas por ter integrado o pelotão de defesa do presidente na CPI da Covid. Pelas suas declarações mentirosas em concordância com as políticas negacionistas do atual governo, Heinze chegou a ter seu nome incluído na lista de pedidos de indiciamento. No relatório final aprovado, no entanto, o nome do senador foi retirado.

Onyx, por sua vez, faz parte dos ministros mais próximos ao presidente. Ocupou diversos cargos no governo atual, incluindo a chefia de transição. Depois que Bolsonaro assumiu oficialmente o Planalto, Onyx já ocupou quatro ministérios diferentes: Casa Civil, Secretaria-Geral da Presidência, Ministério da Cidadania e atualmente é o ministro do recém recriado Ministério do Trabalho e Previdência.

 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar