CartaExpressa

Bolsonaro pede a senadores a aprovação de Mendonça: ‘Um representante de todos nós no STF’

Em vídeo, o ex-capitão defende a aprovação do candidato ‘terrivelmente evangélico’, que vai à CCJ do Senado nesta semana

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro gravou nesta segunda-feira 29 um vídeo de apoio a André Mendonça, indicação “terrivelmente evangélica” para ocupar uma cadeira no Supremo Tribunal Federal.

A gravação se destina aos senadores da Comissão de Constituição e Justiça, que, na próxima quarta-feira 1º, comandarão a sabatina de Mendonça, primeiro passo para a aprovação. Depois, a análise ocorrerá no plenário da Casa.

“A todos os brasileiros, chegou a hora. Em menos de 48 horas, se Deus quiser, o nome do André Mendonça será sabatinado no Senado Federal. Espero, obviamente, que seja aprovado e tenhamos, então, um representante de todos nós dentro do Supremo Tribunal Federal”, diz Bolsonaro na gravação, divulgada pelo site Metrópoles.

“André, boa sorte. Senhores senadores, a gente pede de coração que aprovem o nome dele. Obviamente será sabatinado, mas temos o entendimento que ele está habilitado para exatamente exercer essa função”, completou o ex-capitão.

Bolsonaro indicou Mendonça em 13 de julho, mas o presidente da CCJ, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), travou a marcação da sabatina, que acontecerá em uma semana de “esforço concentrado” anunciada pelo presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!