CartaExpressa

Bolsonaro negou compra de 43 milhões de doses de vacinas da Covax

Bolsonaro negou compra de 43 milhões de doses de vacinas da Covax

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

O governo do presidente Jair Bolsonaro negou a compra de 43 milhões de doses das vacinas do consórcio Covax Facility. Documentos obtidos pela CPI da Covid, e divulgados pelo UOL, mostram que ao optar pela cota mínima, o Brasil deixou de garantir metade dos 86 milhões de imunizantes oferecidos ao país.

A decisão do governo foi de comprar apenas 43 milhões, suficientes para imunizar só 10% dos brasileiros.

Os telegramas sigilosos revelam as tratativas em relação ao pacote e o reconhecimento por parte do governo de que o Brasil seria beneficiado pela existência do mecanismo.

Mesmo reconhecendo a importância do acordo, o governo justificou que as vacinas apresentadas naquele momento não tinham eficácia comprovada. A data da justificativa foi no primeiro semestre de 2020.

Três meses depois, a opção foi por se aproximar à entidade, mas optar pela cota mínima.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem