CartaExpressa

Bolsonaro nega sugestão de Temer de revogar decreto de perdão a Daniel Silveira

O MDB criticou a atitude e disse ser’ lamentável que o atual presidente ignore o princípio fundamental da República que preza pela harmonia e a independência entre os poderes’.

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro negou a sugestão feita pelo ex-presidente Temer pela revogação do decreto que concedeu perdão ao deputado bolsonarista Daniel Silveira (PTB-RJ).

Em nota, o emedebista defendeu que a medida evitaria uma “crise institucional entre os poderes”. “Como a decisão do STF sobre o processo contra o deputado Daniel Silveira ainda não transitou em julgado, o ideal, para evitar uma crise institucional entre os Poderes, é que o presidente da República revogue por ora o decreto e aguarde a conclusão do julgamento”.

“Somente depois disso, o presidente poderá, de acordo com a Constituição Federal, eventualmente, utilizar-se do instrumento da graça ou do indulto”, completou Temer que ainda defendeu que, após a revogação, Bolsonaro dialogue com os outros Poderes.

“Neste entre-tempo poderá haver diálogo entre os Poderes. O momento pede cautela, diálogo e espírito público”, escreveu.

Em suas redes sociais, Bolsonaropublicou um ‘não’, ao compartilhar uma notícia com a nota do ex-presidente. O posicionamento do ex-capitão foi criticado pelo MDB em suas redes sociais que considerou a atitude ‘lamentável’.

“É lamentável que o atual presidente ignore o princípio fundamental da República que preza pela harmonia e a independência entre os poderes. O MDB defende mais equilíbrio e menos lacração”, escreveu.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.