Política

Bolsonaro: indulto a Daniel Silveira simboliza garantia da ‘nossa liberdade’

Em Porto Seguro, presidente falou do ‘simbolismo’ do ato; na véspera, mandatário tinha perdoado deputado aliado, condenado por ameaças ao STF e à democracia

O preFoto: EVARISTO SA / AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta, 22, em Porto Seguro (BA), que o indulto concedido nesta quinta 21 por ele ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) simboliza a “garantia da nossa liberdade”.

“Ontem foi um dia importante para nosso País. Não pela pessoa que estava em jogo ou por quem foi protagonista desse episódio, mas o simbolismo de que temos, mais que o direito, a garantia da nossa liberdade”, disse Bolsonaro durante cerimônia de 522 anos da chegada dos portugueses ao Brasil.

Silveira foi condenado a 8 anos e 9 meses de prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por incitar ataques contra ministros da Corte e incentivar atos antidemocráticos. Em decisão tomada ontem, no entanto, o presidente afrontou o STF e concedeu graça (perdão) ao parlamentar. O indulto é criticado por juristas, que questionam a legalidade do ato.

Ucrânia

Durante a cerimônia, Bolsonaro voltou a falar sobre as consequências econômicas da guerra na Ucrânia. “Vocês sabem o que está acontecendo no mundo, por questões externas à nossa vontade, com uma guerra a 10 mil quilômetros de distância, mas as consequências vêm para nossa pátria”, disse.

Ele afirmou também que não vai pregar a divisão no País. “Todos nós temos uma missão no Brasil. Temos o mesmo objetivo, mesmo sangue, mesma raça, mesma nacionalidade. Queremos unir nossos povos. Jamais pregaremos a divisão entre nós. entre cor de pele, entre opções, entre regiões, entre o que quer que seja.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo