CartaExpressa

Bolsonaro é denunciado de novo por genocídio no Tribunal de Haia

Bolsonaro é denunciado de novo por genocídio no Tribunal de Haia

MBL pede a abertura de investigação e a prisão preventiva do presidente, para evitar que os crimes denunciados continuem a ocorrer

Foto: EVARISTO SA / AFP

Foto: EVARISTO SA / AFP

O Movimento Brasil Livre denunciou o presidente Jair Bolsonaro ao Tribunal Penal Internacional, em Haia, por genocídio.

O documento, assinado por Renato Battista, acusa o governo federal de ter ignorado evidências científicas no combate à pandemia do coronavírus e por ter sugerido que a disseminação da Covid-19 poderia ter efeito positivo ao contribuir para o que chama de “imunidade de rebanho”.

“Bolsonaro, conhecendo a situação da pandemia, ignorou continuamente as evidências. Algumas vezes, ele até sugeriu que a disseminação generalizada do coronavírus seria benéfica, pois criaria imunidade na população sem a necessidade de uma vacina”, diz a denúncia.

A peça também aponta que Bolsonaro incitou a população a não seguir recomendações sanitárias de contenção da pandemia ao utilizar fake news para atacar vacinas, ao desincentivar o uso de máscaras e o distanciamento social e ao propagandear a utilização de medicamentos sem eficácia, como a cloroquina.

Battista pede a abertura de investigação e a prisão preventiva do presidente, para evitar que os crimes denunciados continuem a ocorrer.

Leia a íntegra:

denuncia-mbl-tribunal-de-haia

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem