CartaExpressa

Bolsonaro diz que governo diminuiu ‘sofrimento dos irmãos’ na pandemia

Declaração foi feita durante almoço de confraternização das Forças Armadas, nesta quarta-feira 9

Eduardo Pazuello e Jair Bolsonaro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro declarou, nesta quarta-feira 9, durante almoço de confraternização das Forças Armadas, que sua equipe ministerial se comportou “muito bem” diante da pandemia do coronavírus, que já vitimou mais de 178 mil pessoas no País.

“O Brasil olha para nós. Tem um presidente e um vice-presidente que são militares. Buscam com lupa possíveis defeitos. Buscam de todas as maneiras até mesmo desacreditar. E passamos neste ano um momento dificílimo com a pandemia. Juntamente com os nossos colegas, ministros civis, nos comportamos muito bem. Não só na questão da economia, bem como na busca de diminuir o sofrimento de nossos irmãos”, afirmou.

Na quarta-feira 9, ex-ministros da Saúde de diferentes governos, e inclusive ex-representantes do governo como Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, assinaram um manifesto em que criticam a condução do governo federal em meio à pandemia do novo coronavírus e pedem “vacinas para todos já”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.