CartaExpressa,Política

Biden: Como seria se os EUA interferissem nas eleições de outros países?

Biden: Como seria se os EUA interferissem nas eleições de outros países?

Joe Biden questiona 'como seria' se os Estados Unidos se intrometessem na política de outros países. Foto: Reprodução

Joe Biden questiona 'como seria' se os Estados Unidos se intrometessem na política de outros países. Foto: Reprodução

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, questionou “como seria” se os Estados Unidos fossem vistos como um país que interfere nas eleições de outras nações, durante discurso nesta quarta-feira 16. O chefe da Casa Branca havia realizado uma reunião com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, momentos antes do discurso.

 

 

 

“Como seria se os Estados Unidos fossem vistos pelo resto do mundo como interferindo diretamente nas eleições de outros países, e todos soubessem disso?”, indagou Biden, em Genebra, na Suíça. “Como seria se nos engajássemos nas atividades em que ele está envolvido?”, completou.

Washington tem ameaçado tomar atitudes caso Moscou siga praticando supostas interferências nas eleições americanas. Segundo Biden, os Estados Unidos têm “capacidade cibernética significativa” e responderão na mesma moeda.

“Isso diminui a posição de um país que está tentando desesperadamente garantir que mantenha sua posição como uma grande potência mundial”, acrescentou.

Putin, no entanto, negou as acusações.

Biden e Putin realizaram sua primeira cúpula presencial nesta quarta-feira 16. De acordo com o jornal americano The New York Times, os líderes trataram de questões como ameaças militares e direitos humanos. Os conflitos na Ucrânia também foram pautados.

A declaração de Biden sobre interferência americana em outros países gerou estranheza de observadores internacionais. Colunista de CartaCapital, Glenn Greenwald lembrou de casos de intromissão dos Estados Unidos na ditadura brasileira de 1964, na Operação Lava Jato e em demais países da América Latina, como a Bolívia. “Como seria”, ironizou o jornalista, nas redes sociais.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem