CartaExpressa

Barroso rejeita pedidos de impedimento de Dino em ações do 8 de Janeiro

Defesas argumentam que o ministro figurava como ‘parte’ dos processos

O ministro do STF Flávio Dino. Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, negou pedidos para declarar o ministro Flávio Dino impedido de julgar ações sobre os atos golpistas de 8 de Janeiro de 2023.

As solicitações partiram das defesas de presos por envolvimento nos atos de depredação e tentativa de golpe de Estado. Elas sustentam que Dino, à época ministro da Justiça, estava diretamente ligado à investigação.

Na arguições de impedimento, os advogados alegam que Dino orientou o presidente Lula (PT) sobre as possibilidades jurídicas de ação contra os golpistas.

Barroso, porém, ressaltou que a demanda “não demonstrou de forma clara, objetiva e específica” quais seriam os interesses de Dino que poderiam impedi-lo de julgar os casos.

“Os fatos narrados na petição inicial não caracterizam, minimamente, as situações legais que impossibilitam o exercício da jurisdição pela autoridade arguida”, reforçou o presidente em três decisões, duas delas assinadas na última quarta-feira 10 e outra em 25 de março.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.