CartaExpressa

Câmara de Porto Alegre rejeita abertura de impeachment de Sebastião Melo

O placar nesta quarta-feira foi de 25 votos contrários e 10 favoráveis ao início do processo

Prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (centro) e o vice-prefeito, Ricardo Gomes (à dir.) durante coletiva de imprensa sobre o balanço da crise climática na cidade
Apoie Siga-nos no

A Câmara Municipal de Porto Alegre (RS) rejeitou nesta quarta-feira 29 um pedido de abertura de impeachment contra o prefeito Sebastião Melo (MDB). A capital gaúcha foi fortemente atingida pelas enchentes que castigam o estado desde o início de maio.

O placar foi de 25 votos contrários e 10 favoráveis ao início do processo, a partir de uma denúncia de Brunno Mattos da Silva, secretário-geral da União das Associações de Moradores de Porto Alegre.

Silva acusava Melo de negligência no cuidado das estações de bombeamento e do sistema de drenagem urbana da cidade. O autor do pedido afirmava ser esse o motivo do “maior desastre ambiental e climático da história de Porto Alegre”.

De acordo com ele, “as falhas das estações e bombas alagaram bairros inteiros que não seriam alagados, uma vez que a cota de inundação máxima do sistema – 6 metros – não foi atingida e a água não passou por cima do muro da Mauá”.

Afirmou ainda que tramita desde 2018 na prefeitura um processo sobre a reforma das casas de bombas e que a gestão municipal “ignorou todos os alertas sobre a manutenção”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar