CartaExpressa,Política

Ato bolsonarista em SP reuniu 125 mil pessoas, diz PM; Bolsonaro esperava 2 milhões

Ato bolsonarista em SP reuniu 125 mil pessoas, diz PM; Bolsonaro esperava 2 milhões

O PRESIDENTE JAIR BOLSONARO, EM SÃO PAULO, NO 7 DE SETEMBRO. FOTO: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP

O PRESIDENTE JAIR BOLSONARO, EM SÃO PAULO, NO 7 DE SETEMBRO. FOTO: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP

A Polícia Militar de São Paulo estimou em 125 mil pessoas o público na Avenida Paulista durante o ato bolsonarista deste 7 de Setembro, marcado por pautas antidemocráticas e ameaças golpistas do presidente.

Na última quinta-feira 2, Jair Bolsonaro disse que esperava uma multidão de 2 milhões de apoiadores na manifestação.

“Ninguém precisa temer o 7 de setembro. Eu já falei que, se Deus quiser, eu estarei aqui na Esplanada e usarei da palavra. Como logo depois tenho um compromisso em São Paulo, dia 8, pretendo ocupar um carro de som na Paulista, que deve ter uns 2 milhões de pessoas. Pelo que tudo indica, vai ser um recorde de pessoas”, afirmou em transmissão ao vivo nas redes sociais.

No discurso desta terça, o presidente reiterou as ameaças golpistas contidas em pronunciamento na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, e os ataques ao Poder Judiciário.

Ele atacou diretamente o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, que o incluiu no Inquérito das Fake News a pedido do Tribunal Superior Eleitoral. Moraes também determinou a prisão de aliados de Bolsonaro, como o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) e o presidente do PTB, Roberto Jefferson.

“Não se pode permitir que um homem apenas turve a nossa liberdade. Dizer a esse ministro que ele tem tempo ainda para se redimir, tem tempo ainda para arquivar seus inquéritos. Sai, Alexandre de Moraes, deixa de ser canalha, deixa de oprimir o povo brasileiro, deixa de censurar”, afirmou o presidente da República. Ele também estimulou a desobediência a decisões do STF.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem