CartaExpressa

Aras usa discurso no STF para justificar ação ‘discreta’ durante o governo Bolsonaro

O chefe do Ministério Público Federal destacou a reação do órgão aos golpistas que invadiram e depredaram prédios públicos em 8 de janeiro

O ex-procurador-geral da República, Augusto Aras. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O procurador-geral da República, Augusto Aras, aproveitou seu pronunciamento na sessão de abertura dos trabalhos do Supremo Tribunal Federal, nesta quarta-feira 1º, para defender a atuação “discreta” de sua gestão durante o governo de Jair Bolsonaro (PL).

Aras se dirigiu especificamente ao presidente Lula (PT), presente à cerimônia na sede da Corte, em Brasília. O chefe do Ministério Público Federal destacou a reação do órgão aos golpistas que invadiram e depredaram o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto e o STF em 8 de janeiro e mencionou 525 denúncias, 14 pedidos de prisão e 9 requerimentos de busca e apreensão.

“Esta grande busca pela responsabilização dos culpados, lamentavelmente, ocorre, mas não podemos esquecer: o MP e este Poder Judiciário, durante os anos anteriores, senhor presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, esteve, de forma discreta, estrategicamente discreta, evitando que extremistas de todas as naturezas e ordens se manifestassem contra o regime democrático”, discursou. “Não obstante, muitas vezes nós ouçamos pela imprensa que nada foi feito pelo Ministério Público.”

Leia a íntegra do discurso de Augusto Aras:

Discurso PGR - Abertura do ano judiciário 2023

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.