CartaExpressa

Após quebra de máquina, Fiocruz atrasa entrega de vacinas

Após quebra de máquina, Fiocruz atrasa entrega de vacinas

Compromisso era entregar 3,8 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford até a última quarta-feira 30

O prédio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Foto: Erasmo Salomão/MS

O prédio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Foto: Erasmo Salomão/MS

O Instituto de Biotecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), vinculado à Fiocruz, não cumpriu o compromisso de entregar 3,8 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford até a última quarta-feira 30 para o Plano Nacional de Imunização

Ao jornal O Globo, o diretor de Bio-Manguinhos, Maurício Zuma, disse que um dos motivos do atraso é a máquina recravadora de uma das duas linhas de processamento da vacina, que teve de ficar parada uma semana após apresentar falhas.

Um novo prazo foi estipulado para o próximo sábado 3.

Há três meses, quando se tomou conhecimento do primeiro cronograma do acordo da Fiocruz com a britânica AstraZeneca, a previsão de entrega era de 15 milhões de doses em março e mais 28 milhões em abril.

O governo do presidente Jair Bolsonaro já cortou a previsão de entrega de doses algumas vezes.

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem