CartaExpressa

Após críticas, Flávio Bolsonaro muda o texto da PEC das Praias

Senador, que é relator da proposta, adicionou um trecho afirmando que as praias são bens de uso comum

Senador Flávio Bolsonaro. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Após críticas, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) decidiu mudar trechos da proposta de emenda à Constituição que pode ‘privatizar’ o litoral brasileiro, medida conhecida como “PEC das Praias”.

O senador, que é relator da PEC, adicionou um trecho afirmando que as praias são bens de uso comum, sendo “assegurado o livre acesso a elas e ao mar, ressalvadas as áreas consideradas de interesse de segurança definidas em legislação específica”.

“Não será permitida a utilização do solo que impeça ou dificulte o acesso da população às praias”, diz o novo trecho.

Segundo o senador, a ideia das mudanças é deixar claro que a PEC não vai privatizar as praias brasileiras.

A matéria, que transfere os terrenos de marinha para ocupantes particulares, estados e municípios, foi aprovada na Câmara dos Deputados em fevereiro de 2022 e enviada ao Senado.

Os terrenos de marinha são terras da União no litoral, situados entre a linha imaginária da média das marés registrada no ano de 1831 e 33 metros para o interior do continente.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.