CartaExpressa,Política

Ao espernear contra manifesto, governo Bolsonaro mostra que precisa da crise, diz presidente da OAB

Ao espernear contra manifesto, governo Bolsonaro mostra que precisa da crise, diz presidente da OAB

Fotos: Reprodução e Divulgação/OAB

Fotos: Reprodução e Divulgação/OAB

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, criticou nesta segunda-feira 30 a postura do governo de Jair Bolsonaro em relação a um manifesto da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo que pede a pacificação entre os três Poderes. O ministro da Economia, Paulo Guedes, é um dos que reclamaram do texto.

 

 

Segundo o ministro, a divulgação está suspensa e “alguém” da Federação Brasileira de Bancos – signatária do manifesto – teria transformado o documento em um ataque ao governo.

“Quando o Governo esperneia contra um manifesto – independentemente de quem assina – que pede serenidade, diálogo e pacificação política, só é possível concluir que se quer, na verdade, o contrário. O Governo quer a crise. Precisa da crise que criou”, escreveu Santa Cruz nas redes sociais.

Nesta segunda, horas depois da declaração de Guedes, a Febraban emitiu uma nota de esclarecimento em que desmente o ministro. No texto, a federação destaca que o manifesto articulado pela Fiesp e “elaborado por representantes de diversos setores, inclusive o financeiro”, buscava harmonia, não atacar o governo ou fazer oposição à política econômica.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem