CartaExpressa

Alessandro Vieira levará o governista Luis Carlos Heinze ao Conselho de Ética

Heinze é um dos mais ativos defensores da cloroquina na CPI da Covid

Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) afirmou que entrará com uma representação contra o senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) pela disseminação de informações falsas na CPI da Covid.

“Considerando o contexto que a gente vem vivendo na CPI, com reiteradas tentativas de desinformação, repetição, apesar dos alertas, de documentos e dados que não correspondem à verdade, informo que estou apresentando uma representação no Conselho de Ética em face do colega Heinze”, disse Vieira, nesta terça-feira 8, durante a segunda oitiva do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

O senador também se manifestou nas redes sociais:

Heinze integra a base governista e já defendeu diversas vezes o uso da cloroquina e de outros medicamentos comprovadamente ineficazes contra a Covid-19, além de elencar mentiras a respeito do uso dos medicamentos ao redor do mundo.

O senador também ostenta uma placa com o número de brasileiros recuperados da Covid-19, em contraste com a utilizada por Renan Calheiros (MDB-AL), que atualiza o número de vítimas fatais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.