CartaExpressa

Alckmin defende ‘aprimoramento’, mas diz que Lula não revogará reformas trabalhista e previdenciária

Em reunião na Fiesp, o vice-presidente e ministro da Indústria defendeu mais uma vez uma a reforma tributária

O vice-presidente Geraldo Alckmin. Foto: Carl de Souza/AFP
Apoie Siga-nos no

O vice-presidente da República e ministro da Indústria e Comércio, Geraldo Alckmin, afirmou nesta segunda-feira 16 que o governo Lula (PT) não cogita revogar as reformas trabalhista e previdenciária aprovadas nos últimos anos. Ele também defendeu a aprovação de uma reforma tributária.

Alckmin participou de uma reunião da diretoria da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, a Fiesp, que vive um dia decisivo. Nesta tarde, uma assembleia-geral extraordinária pode definir o futuro de Josué Gomes no comando da entidade.

“Foi feita a reforma trabalhista. O presidente Lula tem colocado: não vai revogar nem trabalhista nem previdenciária. O que você pode é aprimorar, até porque o mundo é rápido, é dinâmico. Sempre citam a questão dos entregadores, um pessoal que trabalha hoje sem o mínimo de seguridade ou direito trabalhista”, afirmou Alckmin em discurso na reunião.

Segundo ele, “o caminho é avançar na terceira reforma, a tributária”. Alckmin declarou que “o papel da sociedade civil organizada será fundamental para a gente poder caminhar”.

Josué Gomes chegou a ser convidado por Lula para assumir o MDIC, mas declinou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar