CartaExpressa

Advogados de Bolsonaro pedem que a Justiça devolva o passaporte do ex-presidente

O argumento é de que não há risco de que o ex-capitão fuja para outro país

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

A defesa de Jair Bolsonaro (PL) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a devolução do passaporte do ex-presidente. 

No recurso, apresentado à Suprema Corte pelo advogado Paulo Amador da Cunha Bueno, a defesa argumenta que, ao longo das investigações contra Bolsonaro, iniciadas no ano passado, “não foi apresentado nenhum indício que justificasse a alegação de risco de fuga” do ex-presidente.

Bolsonaro teve que entregar o seu passaporte na semana passada, após a Polícia Federal (PF) deflagrar uma operação contra ele e o entorno do seu antigo governo.

Os investigadores apuram, por exemplo, se figuras de primeiro escalão do governo Bolsonaro, como o ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, e o ex-chefe da Casa Civil, Braga Netto, teriam envolvimento em um plano golpista no país.

Na petição da defesa do ex-presidente, que deverá ser analisada pelo ministro Alexandre de Moraes, os advogados explicam que Bolsonaro tem evitado sair do país desde o início das investigações. 

A defesa lembra que a única ida ao exterior aconteceu para a Argentina, por ocasião da posse do novo presidente do país vizinho, Javier Milei, pois Bolsonaro “não poderia deixar de prestigiar este evento de relevância ímpar”. 

À parte disso, segundo a defesa, Bolsonaro tem contribuído para as investigações locais, o que não justificaria a apreensão do seu passaporte.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.