CartaExpressa

A polícia tem de saber diferenciar o bandido e o pobre, diz Lula em ato com Castro e Paes no Rio

O presidente também anunciou uma série de investimentos em mobilidade urbana. O pacote chega a 2,6 bilhões de reais

Créditos: Mauro PIMENTEL / AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) anunciou, nesta quinta-feira 10, uma série de investimentos em mobilidade urbana para a cidade do Rio de Janeiro. O pacote chega a 2,6 bilhões de reais. Na solenidade, que contou com a presença do prefeito Eduardo Paes (PSD) e do governador Cláudio Castro (PL), o petista também criticou a violência policial.

“Esse estado não é só Copacabana, não é só Ipanema. É um povo pobre, negro, que precisa ser tratado com respeito, para que nunca aconteça o que aconteceu com um menino de 13 anos que foi assassinado por um policial despreparado ou irresponsável”, disse, em menção à morte do adolescente Thiago Menezes Flausino, na Cidade de Deus.

Segundo Lula, não é possível culpar a polícia como instituição, mas é necessário destacar que “um cidadão que atira em um menino que já está caído é irresponsável e não estava preparado do ponto de vista psicológico para ser policial”.

“Nós precisamos criar condições para a polícia ser eficaz, ser pronta para combater o crime, mas ao mesmo tempo essa polícia tem de saber diferenciar o que é um bandido do que é um pobre que anda na rua”, emendou o presidente.

Ele reforçou, ainda, que a gestão federal tem a responsabilidade de ajudar os governadores no combate à violência.

O governo prevê o investimento de 1,8 bilhão de reais para a recuperação do BRT e de 820 milhões para a construção do Anel Viário no bairro de Campo Grande, a partir de uma parceria com a prefeitura.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar