CartaExpressa

A lista de presença (e de ausência) no jantar de Lula com ministros do STF

Lula chegou à residência de Barroso pouco antes das 20h30, acompanhado da primeira-dama Rosângela Silva, a Janja

O presidente Lula e o presidente do STF, Luís Roberto Barroso. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) participou de um jantar nesta terça-feira 19 na casa do presidente do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso.

Marcaram presença no encontro sete ministros da Corte, além de Barroso:

  • Edson Fachin;
  • Gilmar Mendes;
  • Dias Toffoli;
  • Luiz Fux;
  • Alexandre de Moraes;
  • Kassio Nunes Marques; e
  • Cristiano Zanin.

Flávio Dino, aprovado pelo Senado para ocupar uma cadeira no STF, também participou do jantar. Ele deve tomar posse como ministro em fevereiro.

André Mendonça, que está em São Paulo, e Cármen Lúcia, em Belo Horizonte, não compareceram. Mendonça é o único ministro a não ser se manifestado publicamente sobre a indicação de Dino para o STF.

Lula chegou à residência de Barroso pouco antes das 20h30, acompanhado da primeira-dama Rosângela Silva, a Janja. Antes da agenda reservada, o presidente do Supremo afirmou que o jantar ocorreria a pedido de Lula e seria uma “conversa institucional” entre os Poderes.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.