CartaExpressa

Chuvas no RS: chega a 165 o número de mortes na tragédia no estado

São 806 feridos e 64 desaparecidos, segundo o novo boletim da Defesa Civil

Foto: Nelson ALMEIDA / AFP
Apoie Siga-nos no

A Defesa Civil do Rio Grande do Sul atualizou, neste sábado 25, o boletim de mortos, feridos e desaparecidos na tragédia que assola o estado. Ao todo, informa o órgão, são 165 mortes desde o início das chuvas, 64 desaparecimentos e 806 feridos.

Veja abaixo o números atualizados pela Defesa Civil nesta manhã:

  • Municípios afetados: 469
  • Pessoas em abrigos: 55.791
  • Desalojados: 581.638
  • Afetados: 2.345.400
  • Feridos: 806
  • Desaparecidos: 64
  • Óbitos confirmados: 165
  • Óbitos em investigação: 0
  • Pessoas resgatadas: 83.593
  • Animais resgatados: 12.497
  • Efetivo: 27.751
  • Viaturas: 4.048
  • Aeronaves: 14
  • Embarcações: 253

No RS, as chuvas voltaram a ganhar força no final desta semana após dias de trégua. O nível das águas da capital voltou a subir e o estado tem alertas de ventos fortes e tempestades, com riscos de alagamentos e deslizamentos, em diferentes regiões.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.