CartaExpressa

A avaliação de Kassab sobre a reeleição de Lula em 2026

O presidente não confirmou o desejo de concorrer, mas já disse que a candidatura de Joe Biden nos EUA é um ‘estímulo’

O presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente do PSD, Gilberto Kassab, afirmou nesta segunda-feira 11 ser improvável que o presidente Lula (PT) não se reeleja em 2026. O petista, no entanto, ainda não confirmou a disposição de se lançar novamente à disputa pelo Palácio do Planalto.

Em um evento da corretora XP, Kassab – também secretário de Governo de Tarcísio de Freitas (Republicanos) em São Paulo – disse ainda que o ambiente político está “mais calmo” que nos últimos anos.

Eu acho muito difícil o Lula perder a reeleição. Vai ter que errar muito”, declarou o pessedista. “Passado um ano de mandato do presidente, hoje existem embates e divergências, mas há diálogo e as coisas têm avançado na velocidade que desejamos.” As declarações foram publicadas pelo site R7.

O PSD tem uma forte representação na Câmara, com 43 nomes, e integra um bloco com MDB, Republicanos e Podemos – juntos, somam 142 deputados. No Senado, o partido tem a maior bancada (15).

Apesar de não ter confirmado que se apresentará à corrida eleitoral daqui a três anos, Lula disse, no início de julho, que a candidatura do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, à reeleição é um “estímulo” para que ele também volte a concorrer.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar