Carta Explica

Por que a Arábia Saudita rompeu relações com o Irã?

Entenda a escalada do conflito entre os dois países e o que significa romper relações diplomáticas

|Mapa mostra a localização do Irã e a Arábia Saudita |irã
|Mapa mostra a localização do Irã e a Arábia Saudita |irã
Apoie Siga-nos no

Ouvi no noticiário que a Arábia Saudita rompeu relações com o Irã. O que houve?

A Arábia Saudita executou o clérigo (religioso) xiita Nimr Baqr al Nimr e outras 46 pessoas, sob a acusação de terrorismo. Isso revoltou a população do Irã, que protestou com violência na capital do país e em frente à embaixada saudita.

Mas o que os iranianos têm a ver com isso? O tal religioso era iraniano?
Não, mas a maioria do país é xiita, uma das correntes do islã. O presidente do Irã condenou a execução do clérigo e a população jogou coquetéis molotov (bombas de gasolina, feitas em garrafas de vidro) na embaixada saudita.

E o que a Arábia Saudita fez?

Justamente o que você ouviu no noticiário: rompeu relações diplomáticas com o Irã. Na prática, isso quer dizer que os sauditas fecharam o canal de diálogo que existia entre os dois países. O governo da Arábia Saudita ordenou que todos os diplomatas deixem o Irã.

O que significa romper relações diplomáticas? Os dois países nunca mais vão se falar?

Não. Esse ato é um aviso. A Arábia Saudita está passando a mensagem de que acha que o governo do Irã não está fazendo o suficiente para conter os protestantes e que considera que o país persa está se metendo demais nas questões internas dos sauditas. Mas ainda é possível que eles reatem a “amizade”.

Por que os dois países estão brigando assim? Veio do nada?

Não. Eles são rivais no Oriente Médio e disputam para ver quem tem mais poder na região. Em várias ocasiões, ficaram em lados opostos de disputas, como a Guerra da Síria.

Saiba mais:
1. El País Brasil
2. Valor Econômico

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.