CartaCapital

Médicos afirmam que Trump está bem, mas fonte cita quadro preocupante

Fonte próxima ao tratamento disse que o presidente recebeu oxigênio na Casa Branca para sair andando e próximas 48 horas serão determinantes

A internação hospitalar de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, deverá durar alguns dias - Foto: Saul Loeb/AFP
A internação hospitalar de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, deverá durar alguns dias - Foto: Saul Loeb/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, diagnosticado com covid-19, está “muito bem”, afirmaram os médicos neste sábado, 3, mas uma fonte que está a par de seu quadro de saúde citou preocupação com seu estado.

Na primeira atualização oficial sobre as condições do presidente desde que ele foi internado na sexta-feira no hospital militar Walter Reed, os médicos expressaram otimismo com seu progresso.

“Neste momento, a equipe e eu estamos extremamente felizes com o progresso que o presidente fez”, disse o médico da Casa Branca, Sean Conley, antes de destacar que Trump está “sem febre há mais de 24 horas”.

O nível de saturação de oxigênio do presidente é de 96%, por isso não recebeu oxigênio adicional, e a tosse e a congestão nasal estão melhorando, anunciou Conley em uma entrevista coletiva diante do hospital.

Trump, 74 anos, sofreu tosse, congestão leve e fadiga, segundo o médico, mas os sintomas “diminuem e melhoram”.

“Nós monitoramos suas funções cardíaca, renal e hepática. Todas estão normais. O presidente não está recebendo oxigênio esta manhã, não tem dificuldade para respirar nem para caminhar dentro da unidade médica”, acrescentou Sean Dooley, outro integrante da equipe médica de Trump.

Mas uma fonte a par do estado de saúde do presidente apresentou um relato menos otimista.

“Os sinais vitais do presidente nas últimas 24 horas foram muito preocupantes e as próximas 48 horas serão críticas em termos de seu atendimento. Nós ainda não estamos em um caminho claro para uma recuperação completa”, disse a fonte, sob anonimato.

Apesar de ser questionado por repórteres diversas vezes, Conley não confirmou se Trump recebeu em algum momento oxigenação suplementar e insistiu que atualmente não recebe.

O médico surpreendeu, no entanto, ao mencionar que passaram “apenas 72 horas desde o diagnóstico” do presidente, um prazo que não coincide com o anúncio público do teste positivo de Trump na madrugada de sexta-feira.

Mas a Casa Branca explicou logo depois que Conley se referia a que este sábado é o terceiro dia desde que o teste de Trump apresentou resultado positivo na quinta-feira à noite.

“Por quê foi hospitalizado?”, um repórter questionou. “Porque é o presidente”, respondeu Conley.

Logo depois que Trump chegou ao hospital, Conley informou em um comunicado que o presidente estava iniciando um tratamento com o medicamento remdesivir e recebeu uma dose de oito gramas de um coquetel experimental de anticorpos.

Conley não citou uma possível data para a alta de Trump do hospital e afirmou que não divulgará a temperatura do presidente.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.