CartaCapital

assine e leia

Taxar os alimentos nocivos

A criação do imposto seletivo para os ultraprocessados é a mais eficaz política pública de desestímulo ao consumo de produtos maléficos à saúde

Um estudo do Datafolha encomendado pelo Idec salgadinhos de pacote ou biscoitos salgados foram os produtos campeões de consumo na pandemia. (Foto: iStock)
Apoie Siga-nos no

O Brasil é reconhecido internacionalmente pela excelência da sua política de controle do tabagismo. Registra uma das menores taxas de prevalência de fumantes do mundo. Isto se deve, sobretudo, à política pública implementada ao longo das últimas décadas, sob liderança do Ministério da Saúde, baseada em quatro pilares: banimento das propagandas e rigoroso controle da publicidade do fumo; proibição de uso do tabaco em ambientes fechados e de fumódromos; tratamento gratuito no SUS; e elevação expressiva dos impostos.

Essa última medida, em particular, é apontada como determinante para a diminuição do uso de tabaco e seus derivados, principalmente entre as classes populares. Muitos leitores ainda devem lembrar-se do tempo em que se vendia cigarro a menos de 1 real o maço.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo