CartaCapital

Após xingamentos, Milei recua e envia carta convidando Lula para posse

Uma semana após ser eleito, Milei modera o discurso e fala em “construção de laços”

O candidato de ultradireita à Presidência da Argentina Javier Milei. Foto: Luis Robayo/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente eleito da Argentina, o autodeclarado ultraliberal Javier Milei, convidou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para sua posse, após tensões entre os dois líderes, segundo informou o Itamaraty neste domingo 26.

Uma carta escrita pelo argentino foi entregue ao petista por Diana Mondino, indicada para ser a futura chanceler da Argentina. 

No documento de uma página, Milei expressou seu desejo de que Argentina e Brasil, grandes parceiros comerciais, continuem “compartilhando áreas de complementaridade”.

E espera que ele e Lula compartilhem “uma etapa de trabalho frutífero e de construção de laços”.

Fontes do governo afirmam que o presidente não deverá comparecer à posse de Milei.

O assessor-chefe para assuntos internacionais da Presidência, Celso Amorim, disse ao jornal O Globo que Lula não compareceria à posse de Milei porque foi ofendido pessoalmente. 

Durante a campanha eleitoral argentina, Milei havia declarado que, se chegasse à presidência, não se reuniria com o petista, a quem chamou de “corrupto” e “comunista”.

Milei ainda afirmou, sem qualquer comprovação, que o presidente brasileiro estaria “interferindo” na campanha e “financiando” parte dela.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.