O Joio e o Trigo

Debate sobre ‘carnes vegetais’ é guiado por corporações e falsas premissas

Estudo promove mapeamento inédito de frigoríficos, fundos de investimento e empresas lácteas que esperam dominar mercado bilionário ao mobilizar o discurso de ‘lacuna proteica’ e salvação do planeta

Apoie Siga-nos no

Por Carol Almeida, especial para o Joio

Uma nova armadilha fantasiada de solução: é assim que um dos maiores think tanks globais sobre sistemas alimentares define a cadeia de produção de “carnes vegetais”. Um estudo realizado pelo Painel Internacional de Especialistas em Sistemas Alimentares Sustentáveis (IPES-Food), divulgado nesta quarta-feira 6, é taxativo em afirmar que as chamadas “proteínas alternativas” não salvarão o planeta, à diferença do que dizem as startups do setor.

Nos últimos anos, esse setor vem apresentando um crescimento exponencial com base nas preocupações sociais com os efeitos negativos da criação de animais para consumo. Segundo o relatório “Proteínas e política. Mitos e fatos sobre carne, peixe, ‘proteínas alternativas’ e sustentabilidade”, em 2024 as corporações movimentarão US$ 28 bilhões, sete vezes mais na comparação com 2020. No Brasil, empresas como Fazenda Futuro, Butchers e Verdali têm cada vez mais espaço nos supermercados e empórios de classes média e alta.

A chave do discurso dessas empresas é a oposição aos danos provocados pela indústria da carne. No Joio, já havíamos mostrado como, na verdade, a maioria das startups tem atraído recursos das corporações da carne e dos lácteos. O relatório do IPES-Food traça uma sistematização completa dos investimentos no setor, que atraiu o interesse de bilionários como Bill Gates e Richard Branson (do Grupo Virgin), recursos dos governos dos Estados Unidos, da China e da Europa, e as maiores processadoras mundiais de carne – JBS, Tyson Foods e Cargill.

Em resumo, o relatório refuta os argumentos centrais que têm mobilizado investimentos e faz uma série de alertas:

  • As “carnes vegetais” não têm capacidade de resolver o problema dos impactos ambientais negativos relacionados à alimentação.
  • A alta tecnologia e os aportes bilionários podem criar um mercado altamente concentrado, dominado por corporações e atrelado ao sistema financeiro.
  • A ênfase na demanda global por proteínas baseia-se em premissas falsas que tentam criar a ideia de um grande déficit global.

De acordo com o relatório, o setor pecuário representa atualmente 40-50% do PIB agrícola mundial e tem sido dominado pela influência política e econômica de multinacionais: “Em 2014, as dez maiores empresas mundiais de processamento de carne controlavam 75% do abate de bovinos, 70% do abate de suínos e 53% do abate de frangos. Em 2018, sete empresas dominavam a genética de aves, suínos, gado e aquicultura, e realizaram mais de US$ 80 bilhões em vendas.” O texto ainda aponta que “esta convergência de proteínas” envolve gigantes do processamento de carnes, como JBS, Tyson, WH Group e Cargill.

Outro ponto de atenção é a presença das maiores gestoras de investimentos do mundo. As cinco maiores gestoras controlavam, no ano passado, ativos num total de US$ 34 trilhões, equivalente ao PIB dos Estados Unidos e da China – somados. O IPES-Food cita especificamente a BlackRock e a Vanguard como empresas que têm investido no setor de “carnes vegetais”. Ambas têm negócios em praticamente todos os elos do sistema alimentar global, desde sementes (Bayer) até supermercados (no Brasil, Grupo Pão de Açúcar e Carrefour).

Entre pesquisadores de sistemas alimentares, a presença de gestores de investimentos levanta uma série de preocupações. A concentração de mercados tem um impacto sobre a diversidade e os preços. A busca por investimentos altamente rentáveis causa oscilações bruscas nos preços de alimentos, afetando agricultores e consumidores. “Os principais fundos e índices de investimento estão ajudando a capitalizar rapidamente novas empresas de proteínas vegetais e de carne cultivada em laboratório. A crescente financeirização dos sistemas alimentares está claramente mudando o poder para novos atores – incluindo bancos, gestores de ativos e investidores institucionais de grande escala – com implicações que ainda estão ocorrendo, mas que provavelmente serão de longo alcance”, como aponta o relatório do IPES-Food.

Ao mesmo tempo, as empresas que buscam constantemente expandir o consumo de animais estão cada vez mais presentes no mercado de produção de “carnes vegetais” industrializadas. A Impossible Foods obteve a certificação halal –  que atesta que a produção dos alimentos está de acordo com a jurisprudência islâmica – para levar seus produtos para os Emirados Árabes, Malásia e outros mercados lucrativos. Já o Good Food Institute, que promove o consumo de carne baseada em plantas, está mirando na Índia como um alvo para o consumo de proteínas alternativas, apesar de o país ter um baixo consumo de carne.

A problematização simplista atrasa o debate

Nas últimas décadas, o sistema de produção de alimentos se transformou numa das principais causas de doenças e danos socioambientais do planeta. As infrações trabalhistas nos frigoríficos e as doenças crônicas ligadas ao consumo de carne se somam a um cenário de preocupações sociais.

Os autores do estudo alertam, porém, que a urgência legítima em promover mudanças vem induzindo a “declarações enganosas e generalizações excessivas”, o que fomenta soluções simplistas e investimentos públicos e privados – “de impostos sobre a carne para promover pesquisa e desenvolvimento de ‘carnes de laboratório’, de dietas veganas a agricultura regenerativa e fazendas oceânicas, de agropecuária de precisão à proteína de insetos em escala industrial”.

Outra questão problemática, ainda de acordo com o estudo, é relacionar a produção de carne somente aos problemas ambientais, principalmente na emissão de GEE, “ignorando outros desafios críticos de sustentabilidade como a perda de biodiversidade, poluição química, degradação da terra, dificuldades de manter um meio de subsistência, fome e deficiências de micronutrientes”.

O estudo também chama a atenção para um reducionismo nutricional mobilizado pelas corporações do setor: a ideia de que existe um déficit global de proteína. O relatório contesta essa informação, demonstrando que nem mesmo em países de baixa renda se pode afirmar que exista essa deficiência.  O acesso à proteína dietética – encontrada na carne, nos laticínios e em certos grãos e feijões – “geralmente não é um fator limitante para a maioria das crianças”. Já as crianças do Norte global consomem essas proteínas acima do nível recomendado. Na verdade, há uma projeção para o ano de 2050 de uma deficiência de cálcio e vitamina D, ferro, potássio, zinco, folato e vitamina E, o que pode afetar algumas populações em seus diferentes contextos. No contexto brasileiro, esse é um debate fundamental, já que a ideia mobilizada pelo agronegócio de que “o Brasil alimenta o mundo” tem como elemento central a exportação de soja e milho, utilizados como ração de animais.

“Um estudo do World Resources Institute sugere que as Américas do Norte e do Sul estão projetadas a continuar produzindo grandes excedentes de proteínas vegetais e animais, assim como a África Subsaariana, que também pode reter um pequeno excedente. Enquanto a mesma fonte sugere que a China esteja enfrentando um crescente ‘déficit de proteína’ tanto em proteínas vegetais quanto em proteínas animais, análises recentes estão de fato apontando para potenciais excedentes de carne suína no país.”

Remodelando o discurso

O estudo chama a atenção para como o crescimento do mercado de “carnes vegetais” vem remodelando o discurso das corporações da carne. Anúncios em jornais, propagandas na televisão e posts em redes sociais têm se transformado para dialogar sobre impactos ambientais e o futuro do setor.

Noel White, um executivo da Tyson Foods, disse que “até 2050 os sistemas alimentares globais precisarão duplicar a produção de proteína para atender às necessidades de quase 10 bilhões de pessoas”. Um artigo da revista Wired, uma publicação sobre ciência, tecnologia e negócios, citado pelo Good Food Institute, argumenta que “se esperamos alimentar uma população crescente em um planeta com terras cultiváveis finitas, temos que engendrar novas fontes de alimentos, especialmente de proteína”.

O estudo também cita outras iniciativas de empresas que estão levantando essa bandeira: “A Tyson Foods registrou a frase ‘The Protein Company’; altos executivos da Cargill e Hormel também descreveram suas empresas como empresas ‘proteicas’ e a Maple Leaf Foods delineou sua visão de ser ‘a empresa de proteína mais sustentável do mundo’. As empresas especializadas em substitutos de carne têm sido ainda mais explícitas sobre esta convergência: Beyond Meat afirmou que ‘parte de nossa visão é reimaginar a seção de carne como a Seção de Proteínas da loja’, bem como registrar a frase ‘O Futuro da Proteína’.”

A proteína também tem se tornado a protagonista nos estudos de investigação científica e em movimentos da sociedade civil. Segundo o relatório, entre 1991 e 2020, por exemplo, “os artigos de periódicos acadêmicos contendo o termo de pesquisa ‘proteína’ juntamente com sustentabilidade foram cinco vezes mais numerosos do que os artigos focados em gorduras ou carboidratos mais ‘sustentabilidade’”. Algumas organizações como a Netherlands-based Green Protein Alliance, a True Animal Protein Price Coalition e o Forum for the Future’s Protein Challenge 2040 aquecem o debate para a transição proteica, além de uma melhor qualidade da carne.

É importante ressaltar que os desafios para um mundo mais sustentável “não podem ser superados enquanto os sistemas de produção animal dependerem de enormes quantidades de cultivos de alimentos para animais, que chegam a ocupar até 80% das terras agrícolas globais”.

Já é consenso em grandes estudos que uma alimentação baseada numa diversidade de alimentos in natura ou pouco processados, baseada em vegetais, frutas, cereais integrais e leguminosas, é o caminho para uma dieta saudável e sustentável, incluindo carne, laticínio, ovos e/ou peixes em alguns contextos regionais. O estudo é uma iniciativa para mostrar que, enquanto a discussão for marcada por “reivindicações ousadas e conflituosas […] em conversas cada vez mais polarizadas”, a transição para um sistema alimentar amplo e acessível estará cada vez mais à mercê de falsas soluções.

“Os debates sobre carne e proteínas devem ser reestruturados, sobre o entendimento e as perspectivas de diversos atores […] por exemplo, agricultores familiares, pescadores artesanais, povos indígenas, ribeirinhos e quilombolas, grupos que estão em situação de insegurança alimentar”, ou seja, é preciso investir em espaços de consulta e decisão democráticos para criar caminhos eficientes para colocar uma mudança transformadora em prática.

O Joio e o Trigo

O Joio e o Trigo
O Joio e O Trigo é o único projeto brasileiro de jornalismo que investiga exclusivamente a alimentação e suas implicações políticas.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.