Blogs

House of Mãe Joana: levanta a mão quem está com vergonha do Brasil

A Banana Republic Original Series (ou o resumo semanal do hospício, porque este Brasil deixou de ser sério faz tempo)

 Dulce, a empreendedora do ano
Dulce, a empreendedora do ano
Apoie Siga-nos no

Neste episódio, o papa canoniza uma empreendedora nativa, para o júbilo do publicitário Nizan Guanaes e da deputada Tábata Amaral. O arranca-rabo no PSL de Jair Bolsonaro faz ressurgir o temor de uma “guerra nuclear”. Alexandre Frota interpreta um novo e surpreendente personagem, desconhecido do distinto público. Na tevê aberta, Silvio Santos segue à risca a receita de sucesso que ele próprio inventou: bajular o governante de plantão e ignorar a história. Envergonhado do Brazil-zil-zil? Pois então saiba que só há duas opções: amá-lo ou deixá-lo. O dono do Baú tem razões de sobra para amá-lo. E você?

No país onde uma em cada quatro empresas fecham as portas antes de completar dois anos de existência, foi muito festejada a canonização de Irmã Dulce. Não tem para ninguém, a primeira empreendedora santificada no mundo é do Brazuca! O papa mal havia concluído a cerimônia na Praça de São Pedro, no Vaticano, quando ilustres figuras além-mar celebravam o feito nas redes sociais, a exemplo da deputada Tábata Amaral:

“Santa Dulce dos Pobres era baiana e, com seu empreendedorismo e fé, deu atendimento de saúde a milhares de brasileiros”

Alguns internautas cometeram, como São Tomé, o pecado da dúvida. Pouco preocupado com o Juízo Final, um gaiato respondeu à jovem parlamentar:

“Ah, pronto. Praticamente uma Steve Jobs do catolicismo, né não minha senhora…”

Vale registrar que Tábata não foi a única a celebrar o “empreendedorismo” de Irmã Dulce, ou melhor, de Santa Dulce. Uma semana antes, o publicitário Nizan Guanaes, doador de campanha da deputada, esboçava um raciocínio similar na sua coluna na Folha de S.Paulo:

“Irmã Dulce não é apenas a primeira santa brasileira, ela é a primeira CEO brasileira a ser canonizada. (…) Seu hospital de mil leitos construído sabe Deus como é obra do seu empreendedorismo. O hospital começou num galinheiro nos fundos do convento e hoje tem 40 mil metros quadrados”

Guanaes reforçou, ainda, uma velha máxima do mundo dos negócios: o prudente empreendedor não toma partido.

“Como uma boa CEO, (Irmã Dulce) conversava com todo o mundo. Com a direita, com a esquerda, com o que está entre as duas e além. Sua relação com o grande líder espírita da Bahia, o igualmente santo Divaldo Franco, é maravilhosa. Foi, assim, maior que a igreja que agora a canoniza”

Bibo Nunes ameaça apertar o botão vermelho

Nada católica é a briga de foice no PSL de Jair Bolsonaro, que trouxe velhas reminiscências da Guerra Fria. Ameaçado de expulsão do partido, por opor-se à direção de Luciano Bivar, o deputado gaúcho Bibo Nunes prometeu reagir com toda força, e mandou às favas o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares:

“Tenho várias coisas contra e, sendo expulso, dispararei meu míssil nuclear. Agora, o jogo vai ser muito pesado”

Líder do PSL na Câmara, o deputado Delegado Waldir disse que os colegas que tentam mudar a direção do partido estão de olho apenas na “chave do cofre”. E sugeriu um tempo para os dois lados repensarem o futuro da relação:

“É igual uma briga de marido e mulher. Agora, é hora de dar um tempo aos dois lados, buscar acalmar tudo ou então partir para o divórcio”

Após a Polícia Federal cumprir um mandado de busca e apreensão na casa de Bivar, o líder do PSL especula sobre os próximos alvos. O senador Fernando Bezerra e o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, receberam uma visita dos meganhas. À coluna de Bela Megale, do jornal O Globo, o Delegado Waldir apresentou a sua aposta: 

“Pela lógica os próximos devem ser Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz. (…) Devem preparar um cafezinho para receber a Polícia Federal em breve”

Quem te viu, quem te vê… O deputado Alexandre Frota parece um novo cristão das nobres causas. Outrora um aguerrido soldado bolsonarista, o ex-ator pornô agora flerta com o eleitorado “progressista”. Frota, o iluminado, postou esta mensagem endereçada à cantora Pabllo Vittar, envergonhada com o Brasil que elegeu Jair Bolsonaro, e com críticas à mulher que viu Jesus na goiabeira:

“@pabllovittar Não tenha vergonha de ser brasileira, e sim de ter o Bolsonaro como presidente. Entre na luta para tirá-lo. Você, no lugar da Damares (Alves, ministra dos Direitos Humanos), faria muito melhor”

A concessão do SBT veio das mãos do ditador Figueiredo

Em seu programa dominical, Silvio Santos se fez de sonso ao falar do golpe de 1964, marco de uma ditadura que perdurou por 21 anos. No popularesco quadro “Bolsa Família”, os participantes foram questionados sobre “o que aconteceu no Brasil no dia 31 de março de 1964”. Foram apresentadas quatro opções de respostas: “um massacre”, “a proclamação da República”, “um golpe militar” e “eleições diretas”. Após os competidores assinalarem a sua aposta, o apresentador protagonizou o insólito diálogo reproduzido abaixo:

– Senhor diretor, isso aqui é um programa moderno. Como é que a gente vai saber o que se passou há 55 anos?

– É a história do Brasil, responde o diretor do programa, com voz de locutor.

– História do Brasil… Eu acho, na minha opinião, só pode ser a proclamação da República.

– Não é.

– Então o que é?

– Golpe militar.

– Golpe não é comigo.

Não? Silvio Santos ganhou a concessão do SBT das mãos do ditador João Baptista Figueiredo e, em retribuição, criou o programa Semana do Presidente, destinado a promover o ufanismo e bajular descaradamente o governo. Um golpe de mestre, a julgar pela longevidade da emissora.

Fred Melo Paiva

Fred Melo Paiva Editor-executivo online de CartaCapital, correspondente das Notícias do Hospício e apresentador da série O Infiltrado (History).

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.