Blogs

Musical “Elza” traz tom político e manda recado ao governo Bolsonaro

Espetáculo que reúne sete intérpretes volta a São Paulo em curta temporada e emociona com a história da cantora

Musical
Musical "Elza" traz o tom político que marca a carreira da cantora e que não dá para fugir em momentos atuais
Apoie Siga-nos no

Por Guilherme Soares Dias

“Levanta sacode a poeira e dá a volta por cima.” O musical “Elza”, que homenageia a cantora Elza Soares, reúne sete intérpretes para contar a história de uma mulher que venceu uma infância pobre, conquistou o estrelato com sua voz rouca singular, fez shows fora do País, teve um relacionamento conturbado com o jogador Garrincha, perdeu filho, chegou a cogitar desistir da profissão, e hoje é o ícone que continua produzindo e com a promessa de “cantar até o fim”.

O desafio de contar essa história é grande. Com pouca cenografia, o espetáculo é calcado na voz das sete atrizes-cantoras. Larissa Luz interpreta Elza com sua voz característica e consegue fazer com que o público fique confuso. Se você fechar os olhos, terá certeza que é Elza cantando. “Meu nome é agora”, entoa ela, bradando o lema da cantora, antes de chamar uma música para Ogum. “Não estamos sós” ganha uma batida mais eletrônica que lembra o trabalho solo de Larissa. A música foi composta por ela para a peça.

O musical vai contando sobre o casamento aos 12 anos, os cafés servidos para o pai. A apresentação no programa de rádio de Ari Barroso, que ao ver a menina magra e esquálida pergunta: “de que planeta você veio?”. E ouve dela uma resposta na lata: “do planeta fome”. A personalidade forte sempre foi a marca da cantora.

Elza ouviu aos cinco anos que iria apanhar muito na vida. E isso se perdurou nos relacionamentos amorosos que teve. As músicas e falas dão espaço ao silêncio para lembrar da violência contra as mulheres. “Quantas ficarão pelo caminho?”, questiona uma das atrizes. Com baldes na cabeça, elas cantam a música “Maria da Vila Matilde” que traz o verso: “você vai se arrepender de levantar a mão para mim”. As músicas ganham novos arranjos e uma pegada mais eletrônica. A banda é composta só por mulheres. O intervalo com solo de saxofone é um pouco longo, mas dá espaço para uma segunda parte da história.

As sete intérpretes do musical “Elza”, que volta a São Paulo no Teatro Porto Seguro

Quando Elza ouve Louis Armstrong dispara: “esse caboclo tá me imitando”, referindo-se à voz rouca dele. Ela lembra que na década de 1970, pós-transferência da capital para Brasília, o Rio estava numa crise brava e a intérprete corrige trazendo o verbo para o presente: “está numa crise brava”, lembrando da fase atual difícil vivida pela cidade. A cantora foi casada com Mané Garrincha por 20 anos. Quando Larissa Luz canta “Malandro”, leva a plateia as lágrimas.

História do presente

O musical traz o tom político que marca a carreira da cantora e que não dá para fugir em momentos atuais. “A voz é a arma. Não é preciso portar arma. É preciso portar voz. Falar é existir, é resistir”, afirmam as atrizes, num recado ao governo Bolsonaro, que assinou por decreto a volta da venda de armas. Numa das músicas mais emblemáticas da carreira de Elza: “a carne mais barata do mercado” o verbo vai para o passado e as cantoras dizem que “era a carne negra”.

No término da canção pedem “parem de nos matar”, ressaltando que negros morrem todos os dias apenas por serem negros. A última música do espetáculo é “mulher do fim do mundo”, em que Elza pede cantando: “me deixem cantar até o fim, eu vou cantar até o fim”. Acabam aplaudidas de pé por cerca de cinco minutos.

Depois de ficar um ano em cartaz, com casa cheia e temporadas longas no Rio de Janeiro e São Paulo, o espetáculo deve rodar algumas capitais do País até o fim do ano e ter novas apresentações na capital paulista. A peça é dirigida por Duda Maia, com texto de Vinícius Calderoni. Além de Larissa Luz, a peça é encenada por Késia Anastácio, Khystal, Laís Lacôrte, Janamô, Júlia Tizumba e Verônica Bonfim. “Falar de dores é cansativo. A gente entra em lugares que não tem consciência. Tem algo místico e a espiritualidade ancestral ajuda nisso. Esse musical é uma cura”, resume Késia Anastácio.

As atrizes tiveram dois meses e meio de preparo e foram evoluindo ao longo do processo. Larissa Luz conta que foi se assumindo atriz ao longo das apresentações. “O musical me colocou em outro lugar. Fiquei a fim de estudar cinema, outras linguagens”, afirma. Perfeccionista, a cantora-atriz conta que adentrou no universo de Elza e estudou muito para interpretá-la. “A lição que tiro é de superação. Sempre que acho que não vou conseguir lembro da história dela”, finaliza.

O musical reestreia em São Paulo nesta sexta-feira 7 no Teatro Porto Seguro e fica em cartaz às sextas e sábados, às 20h, e domingos, às 19h, até 15 dezembro. Mais informações aqui e no Instagram oficial do musical

Guilherme Soares Dias
Jornalista e amante de viagens. Autor do site www.guianegro.com.br.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.