Diálogos da Fé

Blog dedicado à discussão de assuntos do momento sob a ótica de diferentes crenças e religiões

Diálogos da Fé

Vídeo viral de ‘exorcismo’ com Lula e Janja reflete nova tática dos evangélicos na política

O impacto desse tipo de conteúdo não está no factual, mas sim no quanto que ele dialoga com crenças já internalizadas de um determinado grupo

Créditos: EBC
Apoie Siga-nos no

Essa semana, um vídeo de um culto evangélico tomou as redes sociais. Nele, um pastor, “entrevistava e expulsava demônios” – para usar os termos próprios religiosos – de uma fiel. Seria só mais um episódio relativamente comum em igrejas do tipo neopentecostal do país, se não fosse pelo conteúdo da conversa entre o pastor e os “demônios”.

Um primeiro ponto a se considerar é que o pastor em questão chamava os supostos demônios por nomes de entidades da umbanda, especificamente Exu tranca rua e Pomba Gira. Ao associar entidades sagradas de outra religião, subvertendo suas características, a demônios, temos um exemplo clássico de intolerância religiosa. Se considerarmos que a umbanda faz parte da tradição das religiões de matriz afro-brasileiras, temos também um componente de racismo religioso na ação.

Mas o caso ainda ganha uma camada problemática a mais. Na “entrevista”, as entidades que possuíam a fiel diziam estar ocupando os corpos do presidente Lula e da primeira dama Janja da Silva, e com isso “espalhando a morte pelo país”.

Em reação o pastor não só “expulsa os demônios”, mas também diz que estaria expulsando Lula da presidência.

O episódio, por óbvio, é caricato – mas não inofensivo. Os fiéis presentes na igreja pareciam acreditar no que estão vendo, e a história recente mostra que mesmo teorias, vídeos e correntes absurdas e facilmente refutáveis não são tão inofensivos assim. O efeito desse tipo de conteúdo não está na sua plausibilidade factual, e sim no quanto que ele dialoga com crenças já internalizadas de um determinado grupo.

O ponto é que, no último período, estamos acompanhando uma transformação na forma que religião vem se relacionando com a política. Acompanhando campanhas políticas em igrejas evangélicas desde 2012, o que observo é uma mudança do padrão dos termos em que essa relação se dá.

Inicialmente, a política estava presente nos cultos na linguagem típica política, envolvendo pautas, demandas e acordos, e em momentos à parte dos cultos, ou ao final deles, com uma separação muito mais clara entre o que era ritual religioso, discussão teológica e discussão eleitoral. No novo padrão, que surge com força a partir da eleição de 2022, a discussão política aparece pela voz de pastores em meio a episódios de falar em línguas (ou seja, como se fossem palavras do próprio Espírito Santo, e não dos pastores) ou de entidades possuidoras de fiéis. Isso, vale dizer, é muito perigoso.

Por fim, é importante constar que as críticas ao vídeo por parte da comunidade evangélica foram fortes. Há um importante grupo de evangélicos que resiste à vulgarização e apropriação da sua fé para fins eleitorais. Ao menos, encerramos com boas notícias.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo