Vai ter drag queen dando aula de espiritismo sim!

Ikaro Kadoshi é um artista LGBT que usa seu canal para falar, entre outros temas, de espiritualidade e ensinar o Evangelho no Lar

Vai ter drag queen dando aula de espiritismo sim!

Blogs,Diálogos da Fé

“E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura.”

Marcos 16:15

“Organizemos o nosso agrupamento doméstico do Evangelho. O Lar é o coração do organismo social. Em casa, começa nossa missão no mundo.”

Scheilla, do livro Luz no Lar

 

Que o movimento espírita, assim como outras comunidades de fé, foi invadido por uma onda conservadora e fundamentalista, não é segredo para ninguém, mas que, na mesma intensidade ou até maior, existe resistência e iniciativas brilhantes, pouca gente deve saber.

Nós, os espíritas progressistas – e há quem diga que é redundante essa afirmação, já que o espiritismo por si só é progressista – temos pesquisado, difundido e incentivado experiências espíritas que resgatem o papel histórico de Kardec, valorizem a diversidade, debatam problemas da atualidade (LGBTfobia, machismo, racismo, sexismo, xenofobia, intolerância religiosa) e, acima de tudo, viva um cristianismo plural, dialógico e amoroso, dentro e fora da casa espírita.

Por conta dessa nossa militância insistente, na semana passada uma amiga me marcou em um post do Instagram que me levou às lágrimas.

Quando é que eu ia imaginar ver uma drag queen ensinando fazer o culto do Evangelho no Lar?

O Evangelho no Lar é um encontro semanal, com o objetivo de reunir os/as moradores/as de uma casa em torno dos ensinamentos evangélicos, à luz do Espiritismo, e sob a assistência dos benfeitores espirituais, devendo ser repetido sempre no mesmo dia e hora da semana.

Para quem não sabe – e não tem obrigação nenhuma de saber -, drag queen é um/a artista que usa roupas e elementos como peruca e maquiagem, frequentemente do gênero oposto, para fins de entretenimento (e informação). Pode ter a ver ou não com identidade de gênero ou orientação sexual, mas qualquer pessoa, homo, hétero ou bissexual, cis ou transgênera, pode ser uma drag queen.

Bem maquiada, brincos exuberantes e vestindo um vestido roxo que deixa os ombros a mostra, Ikaro Kadoshi inicia o vídeo sentada ao lado de uma mesa com um copo d’água e uma imagem de Jesus (geralmente espíritas kardecistas não usam imagens, mas isso não tem problema nenhum. Chico Xavier tinha uma imagem de Nossa Senhora Aparecida em seu quarto).

Ele é um artista conhecido, tanto da comunidade LGBTQI+, como do grande público e ao lado das queridas Rita Von Hunty e Penelopy Jean, apresenta o reality show Drag Me As a Queen, no canal E!.

Ikaro é o nome artístico de Tiago Liberato, um paulista nascido na cidade de São José dos Campos, interior de São Paulo e que sempre gostou de artes. Por esse motivo, fez dança quando criança e depois foi para o teatro amador. Já estava predestinado, conta ele. Suas escolhas ajudaram enfrentar a timidez e entender tudo que acontecia com seus desejos, à medida que ia tomando consciência de sua homossexualidade. Aos 19 anos descobriu o mundo da androginia e a arte de maquiar-se, personificando personagens de cinema. Em meados de 2000, “nasce” Ikaro Kadoshi – Ikaro vem do seu amor pela mitologia grega e Kadoshi do hebraico e quer dizer “o santo”.

Para Kadoshi, as drag queens são representantes de um legado milenar, tem um papel social e de disputa de narrativas e por pregarem a liberdade, vem existindo e resistindo pela arte. “Ser drag queen é um ato político, de resistência e de amor à arte. O maior presente que a vida e a espiritualidade podem ter me dado, foi ser drag queen”, enfatiza.

Na mitologia grega, Ícaro, com c, era filho de Dédalo, um dos homens mais criativos e habilidosos de Atenas, conhecido por suas invenções e pela perfeição de seus trabalhos manuais, simbolizando a engenhosidade humana. Foi seu pai, Dédalo, que lhe presenteou com asas feitas com cera de abelhas e penas de pássaros, mas Ícaro deslumbrou-se com a bela imagem do sol e, sentindo-se atraído, voou em sua direção. A cera de suas asas começou rapidamente a derreter e logo Ícaro caiu no mar.

Frequentador do Centro Espírita Luz de Maria e amante da mentora espiritual Joana de Angelis, se inspira nos exemplos de Jesus e de seus amigos anônimos que atuam no mesmo centro kardecista. Reforma íntima e caridade tem sido duas palavras de ordem na vida de Ikaro.

Seu contato com a doutrina espírita começou ainda na infância, já que sua avó materna era espiritualista. Recorda com carinho de sua avó que lhe benzia “batendo folhas em seu corpo”, rogando a Bezerra de Menezes e Eurípedes Barsanulfo, lhe curasse.

Na adolescência teve problemas com familiares paternos por conta de sua orientação sexual, mas por ter mãe e irmãos bastante amorosos, conseguiu, com muito esforço, enfrentar tudo isso.

Passou por diversas religiões, sendo que no espiritismo encontrou algumas respostas necessárias e a partir de então, tem se dedicado ao seu estudo e divulgação.

Com base em toda sua vivência e utilizando-se dessa personagem mitológica, o nosso Ikaro brasileiro mantém um canal no Youtube chamado “O voo de Ikaro”, com quase três mil inscritos.

Incentivado pelos amigos Felipe e Arthur – “o canal é uma força-tarefa dos três” –  espera que as pessoas reflitam sobre o seu contato com Deus, independente de serem espíritas ou não.

Ikaro acredita que todas as religiões têm que cumprir o papel de ajudar as pessoas a se tornarem melhores e espera que os/as brasileiros/as consigam se perceber e se aperfeiçoar, com base na empatia, na compaixão e na solidariedade.

Como já venho dizendo em outros artigos, não há, em todos os escritos de Kardec, uma linha sequer contra LGBTQI+. Se o fazem em nome do espiritismo, fazem baseados em suas próprias convicções, suas crenças e suas leituras – enviesadas – de mundo e da sociedade. E na contramão dos ensinamentos de Cristo.

A doutrina espírita repudia qualquer tipo de preconceito e discriminação LGBTfóbica, dentro ou fora das casas espíritas, utilizando-se de argumentos pseudo-religiosos ou mediúnicos para oprimir, violentar, excluir e estigmatizar.

Acreditamos que o espiritismo pode ter papel fundamental na superação das intolerâncias, cumprindo sua missão de agente transformador, encampando discursos de acolhimento e amor, respeitando a diversidade, as identidades de gênero, as orientações sexuais e apoiando aqueles/as que procurarem os centros e comunidades espíritas.

Como fazer o culto do Evangelho no Lar

Participantes: podem ser todas as pessoas do lar, inclusive as crianças ou ainda pode ser feito por apenas uma pessoa da casa. A presença de visita não deve ser motivo para suprimir a reunião.

Roteiro da reunião: leitura, sem comentários, de uma página de um livro (por exemplo, Pão Nosso, Fonte Viva, entre outros); Prece inicial; Leitura e comentários de um tópico de O Evangelho segundo o Espiritismo, estudado de forma sequencial. Se não tiver o Evangelho, pode-se ler um trecho da Bíblia ou outro texto que contenha ensinamentos evangélicos; Prece de encerramento.

Recomendações: o tempo da reunião deve ser, no máximo, de uma hora, evitando a manifestação mediúnica de Espíritos.

Pode-se colocar água para ser beneficiada pelos Protetores Espirituais e, após, repartida entre os participantes.

No caso de se perder o dia da reunião em determinada semana, pode-se continuar na próxima.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É psicólogo, educador, militante pelos direitos humanos e um dos idealizadores do movimento de espíritas pelos direitos humanos.

Compartilhar postagem