O povo da Caxemira clama pela solidariedade internacional

As disputas pela região pela maioria muçulmana levaram a duas guerras e muitas batalhas entre Índia e Paquistão

foto: ARIF ALI / AFP

foto: ARIF ALI / AFP

Blogs,Diálogos da Fé

Milhares de homens e mulheres da Caxemira se somam às marchas de rua contra a política ultranacionalista da Índia, que revogou a autonomia da Caxemira e está estabelecendo um estado de apartheid muito similar ao que Israel estabelece contra os palestinos.

O Reino Unido, a França e Portugal colonizaram a Índia e dividiram seu povo. Os colonizadores europeus haviam fortalecido os movimentos nacionalistas hindus e fomentaram de propósito as intrigas entre hindus e muçulmanos, mas ainda assim havia um sentimento de união entre os muçulmanos e hindus na Caxemira de maioria muçulmana.

Com o fracasso do pacto de Luknow, de 1916, entre o Congresso Nacional e a Liga Muçulmana, que visava proteger os direitos das minorias – mas este pacto nunca saiu do papel – houve muitas lutas entre hindus e muçulmanos.

A Índia e o Paquistão dividiram o território após sua independência do Reino Unido em 1947. As disputas pela região pela maioria muçulmana levaram a duas guerras e muitas batalhas entre os dois países.

Os hindus haviam se declarado os habitantes originais e que os muçulmanos seriam imigrantes e que deveriam sair do país para seguir sua religião, além de retirar direitos dos muçulmanos na Caxemira.

Há também uma forte demanda sionista na região e medidas similares às tomadas por Israel na ocupação dos territórios ocupados da Palestina.

Os sionistas na Índia estabeleceram uma aliança com a organização Rastriya Swayamsevak Sangh RSS, uma organização paramilitar nacionalista hindu de direita que está trabalhando em provocar conflitos entre hindus e muçulmanos.

A Caxemira ocupada está resistindo às medidas de apartheid da Índia. Choques em Srinagar entre manifestantes e a polícia da Índia aconteceram logo após a revogação da autonomia. Os agentes de segurança lançaram gazes lacrimogêneos e balas de borracha em meio aos 12 dias de apagão de internet e telefone.

É necessária a solidariedade internacional aos muçulmanos da Caxemira. Os muçulmanos do mundo todo devem apoiar os muçulmanos da Caxemira. Desde os últimos choques, ao menos quatro mil pessoas já foram detidas e presas na Caxemira sobre controle da Índia, que também proibiu as reuniões ou atos de rua.

O Paquistão declarou que lutará contra a mudança do status da Caxemira, anunciou um embargo comercial, suspendeu vários acordos e intercâmbios comerciais e ameaçou levar à Corte Internacional de Justiça (CIJ) a disputa com a Índia sobre a Caxemira, especialmente as violações aos direitos humanos.

Organizações cristãs do Paquistão se reuniram para se solidarizar com o povo da Caxemira. A igreja presbiteriana está envolvida em organizar manifestações pacíficas para protestar contra as atrocidades do governo da Índia.

Bonnie Mendes, ex-secretário executivo da comissão de justiça e paz e da conferência episcopal do Paquistão, chama um referendo sob os auspícios da ONU para estabelecer a soberania de Jamu e Caxemira.

Farroq Tarik, representante muçulmano do Partido dos Trabalhadores (Awami Workers Party) pede a desmilitarização da região e o Professor católico Anjum James Poul, da associação de docentes das minorias paquistanesas, disse que está muito preocupado sobre as atuais tensões entre Índia e Paquistão e que ninguém está a salvo em meio à loucura de um conflito desatado pela guerra.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Historiadora pela PUC São Paulo. Professora da rede pública de ensino. Foi professora de história islâmica da Universidade Islâmica do Brasil (UNISB) em 2002. Escreve neste espaço às terças-feiras.

Compartilhar postagem