Blog do Sócio

Os olhos da maioria só enxergam um lado da história

Geralmente, é o lado contado pelos grandes conglomerados da comunicação

Uma guerra civil a caminho na Venezuela (Foto: AFP)
Uma guerra civil a caminho na Venezuela (Foto: AFP)
Apoie Siga-nos no

Infelizmente, a maioria das pessoas só olha um lado da história, que é aquela contada pelos grandes conglomerados da comunicação. Infeliz do ser que discordar dessa visão, decerto estará sujeito a toda sorte de escárnios.

Tomo esse exemplo para mostrar como anda o pensamento que muitos complacentes ao golpe de 2016 têm da questão da Venezuela. É sedutor aceitar o contexto geopolítico que essas empresas fornecem, não precisa pensar muito. Criam-se inimigos. Formam-se heróis.

No caso o inimigo eleito é o presidente eleito democraticamente Nicolás Maduro, e o herói é um corrupto, Juan Guidó, que tenta passar a imagem de salvador do apocalipse e apoiado pela direita europeia, por Trump e o por Bolsonaro, esse último merece um texto só para ele.

A questão não é tirar um ditador sanguinário, já que Bin Salman, da Arábia Saudita, e Rodrigo Duterte, das Filipinas, que se vangloria de ter matado usuários de drogas, estão em lua de mel com a direita europeia e de noivado com a dupla Trump, o suserano, e Bolsonaro, o seu vassalo, e prestando uma homenagem ao presidente do desgoverno do Brasil que gosta de comparar seu governo ao casamento.

Para dizer que não falei das flores, estamos vendo a Venezuela sendo devastada economicamente pela queda do petróleo que são mais que 80% de seu PIB, assim como a questão do porquê Hugo Chavez e Maduro não investiram em agronegócio e tecnologia. Isso teria salvado o país da crise.

É notório que os países desenvolvidos estão de olho na maior reserva de petróleo do mundo e a segunda maior de ouro do planeta. O pateta autoproclamado presidente é de uma insanidade e teria o equivalente a uma pessoa comum se autoproclamar presidente como fez ironicamente o artista José de Abreu.

Os países de direita e Trump não estão preocupados com o povo passando fome e com falta de produtos em hospitais; ditadores existem vários pelo mundo.

É bom deixar claro que o regulador de preços do barril de petróleo são os EUA e a Arábia Saudita, esses não querem acabar com a crise na Venezuela e sim perpetuá-la para colocar um Guidó (colônia), que se rebaixará a metrópole, já que essa é a tendência na América do Sul. O Brasil é um exemplo claro de como se entrega as riquezas naturais à metrópole.

Portanto, a Venezuela, pela autodeterminação dos povos, tem o direito dentro de sua soberania nacional, não cabendo aos países intervenção, a não ser que rasguem o direito internacional. Trump seria capaz disso.

Blog do Sócio

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.